PJuvenil Multimédia Palavra de Deus Oração em Missão Antigos Alunos

» Favoritos

» Recomendar

» Imprimir

» Fale Connosco

Revista Além-mar Revista Audácia Jornal Família Comboniana Exposição Missionária Virtual Facebook RSS
Indique o seu e-mail:
Utilizador:
Password:
 

Actualidades

Padre queniano eleito melhor professor do mundo

25 de Março de 2019

O prémio de «Melhor Professor do Mundo» de 2019 foi atribuído ao padre Peter Tabichi, que dá aulas numa zona rural do Quénia e doa a maior parte do seu salário aos seus alunos mais pobres.


Peter Tabichi é professor de ciências e doa 80 por cento de sua renda mensal para apoiar os estudos dos seus alunos, na Escola Secundária Keriko Mixed Day, no vilarejo de Pwani. Se não fosse a ajuda do professor, as crianças não conseguiriam pagar por seus uniformes ou material escolar.


Sua dedicação, trabalho árduo e crença apaixonada no talento de seus alunos levaram sua escola, com poucos recursos e localizada numa zona rural do Quénia, a ser considerada uma das melhores escolas em competições científicas nacionais.


Na Escola Mixed Day, estudantes de diversas culturas e religiões aprendem em salas de aula mal equipadas e superlotadas.


O objetivo deste professor é que os estudantes tenham grandes ambições, além de promover a ciência, não apenas no Quénia, mas em toda a África, diz.


“Ver meus alunos crescerem em conhecimento, habilidades e confiança é minha maior alegria em ensinar. Quando eles se tornam resilientes, criativos e produtivos na sociedade, eu fico muito satisfeito, pois sou o principal facilitador de seu destino e a chave que libera seu potencial da maneira mais empolgante”, declarou.


Membro da ordem religiosa católica dos Franciscanos, o professor queniano vai receber um prémio no valor de um milhão de dólares (cerca de 880 mil euros).

Brasil: Líder de movimento popular assassinada

25 de Março de 2019

Dilma Ferreira Silva, coordenadora regional do «Movimento dos Atingidos por Barragens» (MAB), foi assassinada em Tucuruí, no Estado do Pará. O marido e outro militante também morreram na mesma ação.


As vítimas foram amarradas, amordaçadas e esfaqueadas, de acordo com a polícia.


O crime aconteceu em uma área rural, no assentamento Salvador Allende, e os motivos ainda são desconhecidos.


Integrante da luta do MAB desde 2005, Dilma atuou na coordenação do movimento. Em 2011, participou de audiência com a então presidenta da República Dilma Rousseff na entrega de um documento que reivindicou uma política nacional de direitos para os atingidos por barragens e atenção especial às mulheres atingidas.


“O que nos dá força é o movimento, é a luta para não deixar que aconteça com os outros”, explicou Dilma, sobre o motivo que a fez entrar no Movimento dos Atingidos por Barragens.


Dilma Ferreira denunciava as violações dos direitos humanos na construção da barragem de Tucuruí. Segundo Dilma, a empresa prometeu desenvolvimento para a comunidade, mas o que houve foram inúmeros casos de prostituição, perda de terras, muitos acidentes e doenças – males estes nunca reparados.


Como consequência de sucessivas violações de direitos, Dilma entrou para a luta. Por ser vítima de remoção e falta de moradia, estava em um assentamento de terra, localizado na zona rural do município de Baião.

Conselho Geral solidário com Moçambique e Malawi

25 de Março de 2019

“O Conselho Geral dos Missionários Combonianos, que se encontra reunido para a Consulta em Roma, quer responder aos apelos de ajuda que estão a chegar de Moçambique e do Malawi, devido às trágicas consequências deixadas pelo ciclone Idai, através de uma ajuda material às pessoas mais afectadas e da oração por todas as vítimas do ciclone”, lê-se na mensagem enviada pelo Superior Geral, P. Tesfaye Tadesse, em nome do Conselho Geral, aos confrades que trabalham nesta região do continente africano.


Mensagem de solidariedade aos confrades de Moçambique e Malawi


O Conselho Geral dos Missionários Combonianos, que se encontra reunido para a Consulta em Roma, está a acompanhar com dor a tragédia provocada pelo violento ciclone Idai, que assolou Moçambique e o Malawi, no passado dia 14 de Março. São particularmente chocantes as notícias e as imagens que nos chegam da cidade moçambicana da Beira, e arredores, no centro do País, as quais revelam o sofrimento, a tristeza e o luto por que estão a passar estas populações. Contam-se centenas de pessoas mortas, outras feridas e desaparecidas, incluindo familiares de nossos confrades, as colheitas estragadas, as infra-estruturas completamente destruídas ou danificadas e fora de serviço, como casas, escolas, igrejas, pontes e estradas.


De entre as mensagens que recebemos de alguns confrades de Moçambique e do Malawi, destacamos as do superior provincial dos missionários combonianos em Moçambique, P. Constantino Bogaio, e de sua Excelência Reverendíssima D. Claudio Dalla Zuanna, Arcebispo da Beira. As suas palavras são um claro apelo à solidariedade em favor do povo moçambicano afectado por este ciclone devastador.


O Conselho Geral, diante de tanto sofrimento e desespero humano, quer responder a estes apelos de ajuda, tanto quanto possível, manifestando a sua solidariedade concreta para com os povos de Moçambique e do Malawi, através de uma ajuda material às pessoas mais afectadas e da oração por todas as vítimas do ciclone.


Queremos assegurar a nossa comunhão e presença fraterna aos 63 missionários combonianos que trabalham em Moçambique e no Malawi, e sobretudo àqueles que se encontram nas zonas mais afectadas pelo ciclone, nas comunidades da Beira e Muxungué, em Moçambique, e nas comunidades de Balaka e Lirangwe, no Malawi.


Estamos certos de que também outras províncias combonianas e pessoas de boa vontade prestarão a sua ajuda com generosidade para colaborar na reconstrução das vidas destas populações.


Continuaremos a rezar por intercessão de Nossa Senhora da Conceição, padroeira de Moçambique, para que este sofrimento seja superado e transformado em fonte de Vida para estes povos.


Em nome do Conselho Geral dos Missionários Combonianos


P. Tesfaye Tadesse

Combonianos nas áreas afetadas pelo ciclone

22 de Março de 2019

O ciclone Idai atingiu tragicamente Moçambique, Malawi e Zimbabwe, no passado dia 14 de março. Hoje, ainda é visível o cenário de caos e destruição. Os danos são muito elevados. Só em Moçambique, e em particular na cidade da Beira, estimam-se mais de mil pessoas mortas e cerca de 1,5 milhões de deslocados, milhares de feridos e desaparecidos, casas desmoronadas ou gravemente danificadas, estradas que desapareceram, campos devastados e culturas previstas para maio já destruídas. Faltam os bens para satisfazer as necessidades básicas, os abrigos donde pernoitarem e a água potável.


Em todo o Moçambique, trabalham 44 combonianos distribuídos por 13 comunidades, duas das quais na diocese da Beira, uma das áreas mais afectadas de Moçambique. No Malawi, estão 17 combonianos, em cinco comunidades. Neste país, as áreas mais atingidas, e nas quais os combonianos estão presentes, são Lirangwe, Lisungwi, Balaka e Mbera.


Campanha de solidariedade com Moçambique


Os Missionários Combonianos unem-se aos portugueses e organizam uma campanha de solidariedade com este povo irmão.


Os donativos podem ser feitos através da conta bancária IBAN: PT50 0007 0059 0000 0030 0070 9


Por favor, enviar mensagem para a Editorial Além-Mar: editalemmar@netcabo.pt ou telefonar para 213 955 286 a comunicar a oferta.

Queridos irmãos da Província de Moçambique

22 de Março de 2019

Os Conselhos Provinciais de Portugal e Espanha, reunidos no encontro anual em Moncada, querem-se unir a todos vós e a todo o povo de Moçambique por causa dos recentes desastres naturais que deixaram rastos de muita dor e morte. Temos rezado por todos vós, e asseguramos-vos que, na medida do possível, nos sentimos tristes por todos estes acontecimentos.


A Quaresma deste ano tem nome e apelido em cada uma das vítimas, mas a Páscoa que brevemente celebraremos dará sentido a tanta dor.


Por isso queremos solidarizarmo-nos convosco e com todas as pessoas que estão a sofrer e, como províncias de Portugal e Espanha, queremos enviar-vos uma ajuda económica que podeis usar da forma que achardes mais urgente e necessária. Sabemos que nem tudo se resolve com o dinheiro, mas nos momentos em que se perde tudo, a caridade e a solidariedade são fundamentais para que os homens, mulheres e crianças de Moçambique possam recobrar a sua dignidade.


Continuaremos presentes com as nossas orações e com o desejo Pascal de que a morte e destruição de tantas pessoas e coisas nos conduza á vida em plenitude.


Que Daniel Comboni nos continue a iluminar no nosso caminho missionário, e que o povo Moçambicano alcance prontamente a serenidade e a normalidade.


Com afeto fraterno,


Conselho Provincial de Portugal


Conselho Provincial de Espanha


Campanha de solidariedade com Moçambique


Em Moçambique, particularmente na Beira, a passagem do ciclone Idai deixou destruição, morte e sofrimento. Estima-se que 1,7 milhões foram afectados pelo ciclone e pelas cheias. Mais de 500 mil pessoas precisam de ajuda imediata, nomeadamente de alimentos e medicamentos. Casas, hospitais, escolas e igrejas foram devastadas pela tempestade, o que agrava a situação e impossibilita a assistência às vítimas. Os Missionários Combonianos unem-se aos portugueses e organizam uma campanha de solidariedade com este povo irmão.


Os donativos podem ser feitos através da conta bancária IBAN: PT50 0007 0059 0000 0030 0070 9.


Por favor, enviar mensagem para a Editorial Além-Mar: editalemmar@netcabo.pt ou telefonar para 213 955 286 a comunicar a oferta.

África: Dois sacerdotes assassinados

22 de Março de 2019

Dois sacerdotes foram assassinados em África esta semana, um nos Camarões e outro na Nigéria.


No primeiro caso, o padre Toussaint Zoumaldé, capuchinho de nacionalidade centro-africana, foi morto por assaltantes quando passava pelos Camarões. O padre retornava de um curso de formação e seguia para o Chade, onde tinha sua casa e local de trabalho.


Na Nigéria, o sequestro do padre Clemente Rapuluchukwu Ugwu, pároco da Igreja de San Marco, terminou de forma trágica. O corpo do sacerdote foi encontrado na quarta-feira, 20 de março, já em estado de decomposição. Estava numa floresta, não muito longe do local do sequestro.


O sacerdote havia sido sequestrado a 13 de março, levado da casa paroquial já ferido por um disparo de arma de fogo dos bandidos que efetuaram a ação.


Em ambos os casos, os criminosos ainda não foram identificados ou encontrados.


Dom Callistus Onaga, bispo de Enugu, exigiu da polícia a capturar dos assassinos e denunciou a série de assassinatos violentos em todo o país. O prelado convidou ainda os cristãos a intensificarem as suas orações pela salvação do país.

Combater o racismo é uma questão de dignidade humana

21 de Março de 2019

Assinala-se nesta quinta-feira, 21 de março, o «Dia Internacional para a Eliminação da Discriminação Racial». Tema de inspiração em 2019 aponta para movimentos supremacistas extremistas: «Atenuar e contrariar o populismo nacionalista e as ideologias supremacistas extremistas».


A ONU destaca que há movimentos extremistas racistas baseados em ideologias, que buscam promover agendas populistas e nacionalistas, que se espalham em várias partes do mundo. Estes grupos “alimentam o racismo, a discriminação racial, a xenofobia e a intolerância, muitos visam migrantes e refugiados, bem como pessoas de ascendência africana”.


“Combater o racismo é uma questão de dignidade humana e de construção de um mundo melhor”, afirma o escritório da ONU para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).


A diretora-geral da Unesco, Audrey Azulay, alerta que a internet pode ser um “terreno fértil” para propagar a discriminação racial, a xenofobia e as ideologias supremacistas.


“Todos os dias, a discriminação racial continua a despojar silenciosamente as pessoas dos seus direitos fundamentais ao emprego, à habitação e à vida social, por meio de leis iníquas”, lê na mensagem divulgada pela Unesco.


O «Dia Internacional para a Eliminação da Discriminação Racial» é assinalado com a lembrança dos acontecimentos de 21 de março de 1960, quando a polícia da África do Sul abriu fogo e matou 69 pessoas numa manifestação pacífica contra as leis do Apartheid em Sharpeville.


 

Vontade de Deus é que todos se salvem

21 de Março de 2019

Durante a audiência geral de quarta-feira, 20 de março, o Papa afirmou que a terceira invocação do Pai-Nosso, “seja feita a Vossa vontade”, nos lembra que a vontade de Deus é que “todos os homens se salvem e cheguem ao conhecimento da verdade”.


“De facto, quando rezamos pedindo que se realize em nós e no mundo a vontade de Deus, longe de nos predispormos a uma humilhante submissão servil, nós fazemos um ato de confiança de que, apesar de todas as dificuldades, obstáculos e sofrimentos, o nosso Pai do céu nunca nos abandonará”, referiu Francisco.


O Santo Padre acrescenta que desse modo, nos associamos à oração de Jesus no Getsêmani, que quando experimentou a angústia orou: “não seja feita a minha, mas a vossa vontade”!


“Fazer a vontade de Deus significa também estar dispostos a contribuir para evitar tudo aquilo que Deus não quer para o homem e para o mundo, como o ódio e a guerra, e a promover tudo o que seja o bem, a vida e a salvação”, concluiu o Papa.


 

Missionária envia notícias da cidade da Beira

20 de Março de 2019

A Irmã Laura Malnati, missionária comboniana em Moçambique, enviou-nos uma mensagem em que descreve o cenário de destruição que se encontra na cidade da Beira após a passagem do ciclone Idai no dia 15 de março.


Beira é capital da província de Sofala, a região mais afetada pelas fortes chuvas e os fortes ventos do ciclone.


Os Missionários Combonianos de Portugal lançaram uma campanha de solidariedade destinada à recolha de fundos para Moçambique.


Caras irmãs,


Como sabeis, na noite de quinta para sexta (14-15 de março) o furacão Idai de categoria 4 (escala de 1-5) destruiu a cidade da Beira e as localidades vizinhas. Havia já dois dias que toda a população e as autoridades estavam em alerta máximo, mas ninguém podia imaginar uma tal violência.


90% da cidade da Beira foi destruída. Informações oficiais falam de cerca de 65 mortos, mas o número de certeza é maior (cerca de 200 na terça-feira, 19 de março). Somente ontem à tarde é que tivemos notícias das irmãs da comunidade da Beira, as Irs. Monica Luparello e Otília Balula. A Ir. Giuseppina Scanziani tinha saído na semana anterior para férias. As irmãs estão bem e não tiveram ferimentos. A nossa casa sofreu diversos danos, metade do telhado caiu e o primeiro andar ficou inabitável. Também os nossos irmãos combonianos estão bem e também a casa deles ficou muito danificada. Quarteirões inteiros foram destruídos. Continua a chover e isso torna tudo ainda mais difícil. Na cidade falta energia, água potável e as comunicações estão interrompidas. Também a estrada que une a Beira ao resto do país está cortada pelas grandes inundações até ao Buzi onde antes tínhamos uma comunidade.


Na comunidade de Mangunde e em toda a área não se registaram danos, caíram uma dezena de casas, das que estavam em pior estado. As irmãs e os irmãos de Muxungue estão bem.


Da Beira nos chegam algumas imagens que mostram as pessoas tentando consertar algumas chapas dos telhados e limpar as estradas.... nos levantamos!


Um comunicado do bispo informa que todos os imóveis da diocese ficaram danificados.


Com fé e coragem confiamos ao Senhor toda a população desta zona e buscaremos as formas de levar-lhes a nossa ajuda e a nossa solidariedade.


Estamos juntas.


Irmã Laura Malnati

Moçambique: Situação na cidade da Beira é dramática

20 de Março de 2019

Após a passagem do ciclone Idai por Moçambique, “a situação na Beira está bastante dramática”, refere o Coordenador de emergência do «Programa Mundial de Alimentação» (PMA).


Em declarações à ONU News, Pedro Matos explica que “nem Moçambique nem nenhum país do mundo está preparado para responder a uma tragédia desta dimensão.”


Pedro Matos vai além e diz mesmo que “é uma coisa nunca vista”.


Para além de Moçambique, onde a província de Sofala foi a mais afetada, o ciclone causou destruição também no Zimbabué e no Malawi.


Os Missionários Combonianos lançaram uma campanha de solidariedade destinada à arrecadação de fundos para Moçambique.


 

Campanha de solidariedade com Moçambique

20 de Março de 2019

Em Moçambique, particularmente na Beira, a passagem do ciclone Idai deixou destruição, morte e sofrimento. Estima-se que 1,7 milhões foram afectados pelo ciclone e pelas cheias. Mais de 500 mil pessoas precisam de ajuda imediata, nomeadamente de alimentos e medicamentos. Casas, hospitais, escolas e igrejas foram devastadas pela tempestade, o que agrava a situação e impossibilita a assistência às vítimas. Os Missionários Combonianos unem-se aos portugueses e organizam uma campanha de solidariedade com este povo irmão.


Os donativos podem ser feitos através da conta bancária IBAN: PT50 0007 0059 0000 0030 0070 9


Por favor, enviar mensagem para a Editorial Além-Mar: editalemmar@netcabo.pt ou telefonar para 213 955 286 a comunicar a oferta.

Retiro quaresmal para jovens

18 de Fevereiro de 2019

O grupo «Jovens em Missão» (JIM) organiza um retiro quaresmal nos dias 29, 30 e 31 de março, em Santarém.


“Ele quer falar. No silêncio escuta-o e responde-lhe. No íntimo do teu coração, deixa-te cativar por Ele”.


O retiro é um momento importante de paragem, reflexão e oração, habitualmente no tempo da Quaresma.


Participa! Sai do sofá! Faz o teu coração gritar Missão!


Incrições: jovemissio@gmail.com

Galeria


Comentários

Mostrar comentários | Escrever um comentário