PJuvenil Multimédia Palavra de Deus Oração em Missão Antigos Alunos

» Favoritos

» Recomendar

» Imprimir

» Fale Connosco

Revista Além-mar Revista Audácia Jornal Família Comboniana Exposição Missionária Virtual Facebook RSS
Indique o seu e-mail:
Utilizador:
Password:
 

Actualidades

Jornadas Missionárias: Urgente promover a saída em missão

18 de Setembro de 2018

Apresentadas as conclusões e propostas de acção das Jornadas Missionárias Nacionais, decorridas em Fátima nos dias 15 e 16 de setembro.


Com protagonismo dos jovens, que representaram 30% dos participantes, e no contexto do Ano Missionário Português (2018-2019) e do outubro missionário extraordinário (2019), considera-se urgente promover a saída em missão.


“Torna-se urgente que durante este Ano de Graça se promovam nas paróquias, arciprestados e dioceses experiências concretas de saída para outras realidades, dentro ou fora das nossas fronteiras, como sinal de compromisso com o anúncio do Evangelho”, lê-se no comunicado.


De acordo com o comunicado, “a ausência de representantes de algumas dioceses de Portugal neste encontro nacional é o sintoma de que a responsabilidade missionária das igrejas locais é ainda uma debilidade pastoral”.


“Que a celebração do ano missionário a todos desperte para a missão”, conclui o documento.


 

Aumenta a esperança média de vida dos europeus

17 de Setembro de 2018

A esperança média de vida dos europeus aumentou e a mortalidade prematura diminuiu, segundo o «Relatório Europeu de Saúde de 2018» da Organização Mundial de Saúde (OMS).


De acordo com a OMS, as pessoas vivem agora, em média, mais um ano do que há cinco anos. No entanto, ainda há mais de uma década de diferença entre os países com maior e menor esperança média de vida.


A diretora regional da OMS para a Europa, Zsuzsanna Jakab, disse que o estudo mostra que “a maioria dos países europeus adotou medidas significativas para atingir as principais metas estabelecidas pela Health 2020, contribuindo para alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da Agenda 2030 relacionados com a saúde”.


Neste relatório, a OMS alerta que o tabaco, o álcool, o sobrepeso, obesidade e a sub vacinação impedem alguns países de atingir valores mais positivos.


Apesar da melhoria, as taxas de tabagismo na Europa continuam a ser das mais altas do mundo, com uma em cada três pessoas acima dos 15 anos a ser fumadora.


Por outro lado, mais da metade da população tem excesso de peso e a tendência de obesidade em adultos estão a aumentar na maior parte da Europa, ainda que haja variações consideráveis entre os países.


As taxas de vacinação infantil melhoraram de forma geral em toda a Europa, mas os recentes surtos de sarampo e rubéola, em alguns países, colocam em risco a capacidade da região em eliminar essas doenças.


A publicação do Relatório Europeu de Saúde de 2018 ocorre pouco antes da reunião anual do Comité Regional da OMS para a Europa.


O evento decorre entre 17 e 20 de setembro em Roma, Itália, e as suas conclusões serão discutidas pelos delegados dos 53 Estados-membros da OMS.

Livro: Seja a mudança que você quer ver no mundo

17 de Setembro de 2018

O livro «Seja a mudança que você quer ver no mundo» foi apresentado durante o Capítulo Geral dos Missionários Combonianos em Roma. A publicação, que leva no título uma frase muito sugestiva de Gandhi, quer celebrar o 11º aniversário da participação da Família Comboniana no Fórum Social Mundial (FSM) e no Fórum Social Comboniano (FSC).


O livro possui vários artigos de combonianos e combonianas, leigos e amigos do instituto. Um trabalho que pretende avaliar o nosso caminho após 10 anos de participação nestes movimentos sociais e fazer um balanço da situação em relação ao compromisso com a Justiça, Paz e Integridade da Criação, além de oferecer propostas para uma colaboração frutífera sobre os temas da Justiça e Paz.


É possível descarregar o livro em formato PDF e nos idiomas italiano, espanhol e inglês.

Dois santos sudaneses adorados no mundo todo

17 de Setembro de 2018

“Em cada centro, em cada lugar (no Sudão), não concluímos a oração sem dizer: Santa Bakhita rogai por nós, São Comboni rogai por nós”, afirma o arcebispo de Cartum, Michael Didi Adgum Mangoria. O prelado se refere aos dois santos sudaneses venerados pelos católicos no mundo todo.


Santos Bakhita e São Comboni: presentes do Sudão para a Igreja


Os dois santos são um presente do Sudão para a Igreja universal: Santa Josefina Bakhita é a padroeira do Sudão e dos sobreviventes do tráfico humano. Nascida em Darfur, no Sudão, seu dia de festa é 8 de fevereiro.


São Daniel Comboni, italiano, fundou os Missionários Combonianos. Comboni, que tinha uma forte ligação com o Sudão, também teve uma grande visão para a África em geral. Na época, era incomum falar sobre a África da maneira que ele fez. Sua visão para a África é captada em seu lema “Salvar a África com África”. O dia da festa de Comboni é 10 de outubro.


Sobre a situação dos cristãos católicos a viver no Sudão nos últimos anos, o arcebispo disse o seguinte:


“Tivemos uma boa presença de cristãos antes de 2005 na parte norte do Sudão, mas depois da divisão do país em 2011 nos tornamos uma minoria aqui na República do Sudão. Mas, em 2013, quando a guerra começou no Sudão do Sul, muitas pessoas retornaram para o Sudão - na verdade mais do que antes”.


De acordo com o arcebispo, o maior desafio que os cristãos enfrentam na República do Sudão é o da pobreza.


“Muitos dos cristãos são pessoas das áreas rurais do Sudão. A maioria vem para as grandes cidades, como Cartum, para fugir de conflitos armados endêmicos, como os combates nas montanhas Nuba. Quando chegam às cidades, longe de um ambiente agrário que conhecem melhor, a vida torna-se particularmente dura quando tentam ganhar a vida a comprar e vender nos mercados”.


“Do ponto de vista pastoral, a Igreja tem poucos padres locais. Também é complicado conseguir permissão de trabalho e residência para os missionários que desejam servir no Sudão. Pode ser um desafio enorme renovar as licenças quando elas expiram”, refere Mangoria.


Perguntado se os cristãos podem praticar sua fé livremente, o arcebispo não poupou elogios ao povo sudanês comum, que ele descreveu como bom e hospitaleiro. No entanto, embora as autoridades do Sudão neguem repetidamente a discriminação contra os cristãos, algumas das leis promulgadas parecem direcionadas aos cristãos.


Um caso doloroso, entre os cristãos, é a declaração do Ministro da Educação no estado de Cartum, no ano passado, proclamando o sábado como um dia “extra santo ou um dia de obrigação”. Por quase 100 anos, os cristãos observavam sextas e domingos como dias de obrigação. A adição de sábado, no estado de Cartum, significa efetivamente que as instituições e escolas da Igreja agora só operam em uma semana de quatro dias. Para muitos cristãos, isso parece discriminatório.

Sudão do Sul: Assinado acordo de paz revitalizado

14 de Setembro de 2018

As lideranças políticas do Sudão do Sul assinaram um acordo de paz revitalizado, que comporta os pontos de entendimento mais sensíveis para uma paz permanente.


O texto final foi assinado por todas as partes, incluindo o presidente Salva Kiir, o líder do SPLM-IO Riek Machar, a Aliança de Oposição do Sudão do Sul (SSOA), Gabriel Chang Changson e o líder do SPLM-FD, Deng Alor.


O ministro da informação, Michael Makuei, saudou a assinatura do acordo de paz revitalizado por todas as partes e declarou que a partir de agora o governo começará o processo de implementação.


A cerimónia de assinatura teve lugar no final da reunião dos líderes da «Autoridade Intergovernamental para o Desenvolvimento» (IGAD), um bloco comercial de oito países com base na África Oriental.


O novo acordo pretende resolver algumas preocupações apresentadas pelos partidos de oposição, com relação ao número de estados e a demarcação das fronteiras tribais e de Estado.


Para a constituição permanente, o documento será elaborado pela Comissão de Revisão Constitucional (NCRC) e submetido à Conferência Constitucional Nacional, em resposta ao pedido da oposição.


O acordo também estabeleceu uma série de regras para o processo de tomada de decisão na presidência, no governo e no parlamento, particularmente quando as partes não chegam a uma decisão colegiada.

Nigéria: Quarto sacerdote assassinado no país este ano

13 de Setembro de 2018

O Padre Jude Egbom foi assassinado no dia 3 de setembro, vítima de um assalto. Em 2018, já foram assassinados quatro sacerdotes na Nigéria.


Padre Jude era o pároco da igreja católica de São Patrício, em Amucha no distrito de Orlu que faz parte do Estado de Imo no sul da Nigéria.


Embora a situação ainda não esteja totalmente clara, de cordo com as informações  o sacerdote estaria a regressar para a paróquia quando sofreu um assalto. “Foi esfaqueado em vários pontos mortais. Faleceu na hora, antes que se pudesse fazer alguma coisa para salvar-lhe a vida”, disseram algumas testemunhas.


Este foi o quarto sacerdote assassinado na Nigéria em 2018 e ao menos 26 em todo o mundo.


No sul da Nigéria também tem aumentado o número de sequestros de padres e religiosos para obter resgate.

Papa convoca reunião sobre prevenção de abusos sexuais

13 de Setembro de 2018

Da Agência Ecclesia


O Papa Francisco convocou os presidentes de todas as Conferências Episcopais do mundo para um encontro no Vaticano, de 21 a 24 de fevereiro de 2019, dedicado ao tema da “proteção dos menores”.


O anúncio foi feito na quarta-feira, 12 de setembro, pela sala de imprensa da Santa Sé, sublinhando que a proposta partiu do conselho consultivo de cardeais, o chamado «C9», para abordar a questão da prevenção de abusos sobre menores e adultos vulneráveis.


“O Conselho refletiu amplamente com o Santo Padre sobre o tema dos abusos”, assinala a nota oficial.


Na última segunda-feira, o «C9», manifestou a sua solidariedade ao Papa, em comunicado divulgado pela Santa Sé.


“[O Conselho de Cardeais] manifestou plena solidariedade ao Papa Francisco perante quanto aconteceu nas últimas semanas, consciente de que no atual debate a Santa Sé vai formular os eventuais e necessários esclarecimentos”, assinala o texto.


Francisco tem recusado comentar as acusações de quem pede a sua renúncia, na sequência de uma carta divulgada pelo núncio apostólico Carlo Maria Viganò, segundo o qual teria protegido o arcebispo emérito de Washington, o ex-cardeal McCarrick.


Já esta quinta-feira, o Papa vai receber no Vaticano o cardeal Daniel DiNardo, arcebispo de Galveston-Houston e presidente da Conferência dos Bispos Católicos dos Estados Unidos da América, juntamente com o cardeal Sean Patrick O’Malley, presidente da Comissão Pontifícia para a Tutela dos Menores (CPTM).


O pontífice tem repetido a necessidade de “tolerância zero” para os casos de abusos sexuais e o seu encobrimento, tendo criado a CPTM, que reúne especialistas e vítimas, além de pedir às conferências episcopais que promovam uma melhor formação para os sacerdotes e implementem diretivas para evitar que estas situações se repitam.


A 20 de agosto, o Papa reagiu com uma carta às recentes crises provocadas pelos casos de abusos sexuais nos EUA e noutros países, reafirmando a necessidade de “tolerância zero” e responsabilização de quem cometeu ou ocultou tais crimes.


“A dor das vítimas e das suas famílias é também a nossa dor, por isso é preciso reafirmar mais uma vez o nosso compromisso em garantir a proteção de menores e de adultos em situações de vulnerabilidade”, pode ler-se.


Francisco assume os erros cometidos pela Igreja Católica, no passado, e diz que é preciso “pedir perdão e procurar reparar o dano causado”.


“Olhando para o futuro, nunca será pouco tudo o que for feito para gerar uma cultura capaz de evitar que essas situações não só não aconteçam, mas que não encontrem espaços para serem ocultadas e perpetuadas”, acrescenta.


Na terça-feira, o porta-voz da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) disse em Fátima que os abusos sexuais de menores são um mal que é preciso “erradicar”, sublinhando a existência de diretrizes do episcopado católico desde 2012.


“Não é necessário tomar medidas excecionais, porque elas estão bem vincadas, numa linha de prevenção, de proteção, numa linha de atenção àqueles que foram prejudicados”, referiu o padre Manuel Barbosa, em conferência de imprensa, após a reunião mensal do Conselho Permanente da CEP.


Para o secretário do organismo episcopal, as diretrizes para casos de abuso sexual de menores, de 2012, são “claras” e estão a ser aplicadas em Portugal, em coordenação com as “orientações” que chegam da Santa Sé.


“É preciso mantê-las bem ativas para que esses casos não aconteçam”, precisou.


O ‘guia’, dividido em 51 pontos, respondeu a uma exigência feita pela Congregação da Doutrina da Fé, organismo da Santa Sé, que em 2011 solicitou aos episcopados católicos de todo o mundo a elaboração de diretivas próprias para tratar os casos de abusos sexuais.

Faz o teu coração gritar missão

13 de Setembro de 2018

Olá malta, estamos no início de mais um ano pastoral. E este ano nós, «Jovens em Missão» (JIM), escolhemos o tema: “Faz o teu coração gritar missão”, interpelados pelo apelo do Papa Francisco e da conferência episcopal portuguesa. Juntamos três palavras, que o Papa realça na sua mensagem para o Dia Mundial da Missão: Coração, Gritar e Missão. São estas, as três palavras que queremos desenvolver e ajudar a viver aos jovens que vamos encontrar.


Hoje, mais do que nunca somos todos convocados a ser missionários, a ir ao encontro das periferias e dos mais frágeis. Mas para isso acontecer, temos que tornar o nosso coração disponível e sensível as realidades que nos rodeiam. Somos jovens, e por isso somos chamados a gritar com força, não um grito histérico, mas um grito que sensibilize, um grito de protesto, um grito de esperança, um grito de coragem no meio de uma sociedade às vezes sem Norte. A missão vem do nosso coração. Não pode haver missão sem coração. Por isso ao longo deste ano, queremos conjugar estas duas palavras em conjunto.


Pelo Batismo, também vós, jovens, sois membros vivos da Igreja e, juntos, temos a missão de levar o Evangelho a todos. Estais a desabrochar para a vida. Crescer na graça da fé, que nos foi transmitida pelos sacramentos da Igreja, integra-nos num fluxo de gerações de testemunhas, onde a sabedoria daqueles que têm experiência se torna testemunho e encorajamento para quem se abre ao futuro. E, por sua vez, a novidade dos jovens torna-se apoio e esperança para aqueles que estão próximo da meta do seu caminho. Na convivência das várias idades da vida, a missão da Igreja constrói pontes intergeracionais, nas quais a fé em Deus e o amor ao próximo constituem fatores de profunda união.


Papa Francisco


Saibamos pois, ao longo deste ano, construir pontes entre nós, para que o Senhor possa assim chegar a todos os cantos do Mundo.


Desejo, a todos vós, um ano pastoral cheio de frutos e sem esquecer de gritar: Missão!


P. Ricardo Gomes

Filipinas: Projeto Solidário

12 de Setembro de 2018

O projeto Missionário Solidário 2018/2019 tem em vista o auxílio na educação das crianças de Manila – Filipinas.


São muitas as famílias que vivem na miséria e sem condições mínimas. As crianças não vão à escola por falta de recursos, não têm dinheiro para pagar material escolar, uniforme, passe para os transportes, nem sequer a alimentação.


A comunidade Comboniana, presente no local, não está indiferente e apela à nossa ajuda para o seu projeto: «Outreach for the poor».


Apoio à educação em Manila – Filipinas


Os Missionários Combonianos estão em duas cidades da região metropolitana de Manila – Na cidade de Quezon (Norte) e na cidade de Paranaque (Sul).


O trabalho dos Combonianos em Paranaque iniciou em 2003 com foco na animação missionária, promoção da justiça e da paz, no fornecimento da formação missionária através da World Mission Magazine e outras necessidades diárias que vão surgindo.


Foi criado um “programa de apoio” – Outreach program – com a finalidade de assistir os mais pobres nas necessidades mais básicas, nomeadamente na alimentação (distribuída especialmente no Natal) e um programa de assistência à educação das crianças mais pobres que se veem privadas do acesso ao ensino por não terem capacidade financeira para comprar os materiais escolares, uniformes, passe para os transportes e refeições.


Neste momento, assistem cerca de 100 crianças, por ano, e oferecem bolsas de estudo a mais algumas dezenas.


Objetivos do Projeto


- Ajudar as crianças pobres, cujas famílias não conseguem pagar os seus estudos básicos.


- Fornecer os materiais necessários para todo o ano escolar para cerca de 100 crianças


- Oferecer bolsas de estudo (dando prioridade às crianças órfãs e as que precisam de uma educação especial, normalmente para crianças com problemas mentais ou outras doenças)


O projeto está aos cuidado da comunidade Comboni Mission Center em Sucat e é supervisionado pelo Pe. David C. Domingues, responsável do projeto de ajuda a educação.


O seu valor é de 10.000 euros, capaz de apoiar esta causa durante dois anos.


IBAN: PT50 0007 0059 00000030007 09


Missionários Combonianos


Ricardo Gomes – 910650895

Papa quer visitar o Japão em 2019

12 de Setembro de 2018

O Papa Francisco anunciou esta quarta-feira, 12 de setembro, a sua intenção de visitar o Japão em 2019.


O anúncio aconteceu na presença dos membros da associação nipónica «Tensho Kenoh Shisetsu Kenshoukai», promove projetos de solidariedade e cultura.


“Aproveitando esta visita, gostaria de vos anunciar a minha vontade de visitar o Japão no próximo ano. Esperemos que seja possível fazê-lo”, disse.


“Vocês querem demonstrar que a religião, a cultura e as finanças podem colaborar pacificamente para criar um mundo mais humano e caracterizado pela ecologia integral. E isto concorda plenamente com os meus desejos para a humanidade de hoje e de amanhã, assim como escrevi na Carta Encíclica Laudato si. É o caminho certo para o futuro de nossa Casa Comum”, acrescentou o Santo Padre.


Em 1981, João Paulo II concretizou a primeira visita de um papa ao Japão.


Em 2017, o primeiro-ministro Shinzo Abe convidou o Papa para visitar o Japão, sublinhando o empenho comum por um mundo sem armas nucleares.


Na sua juventude, o Papa Francisco sonhava ser missionário no Japão, algo que foi impossível devido aos seus problemas de saúde.

Obesidade atinge 672 milhões de pessoas

12 de Setembro de 2018

Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) indica que 672 milhões de pessoas no mundo sofrem de obesidade. O problema é mais notado na América do Norte, mas em África e na Ásia existe uma tendência de aumento.


O relatório “Estado da Insegurança Alimentar e Nutrição no Mundo em 2018”, divulgado na terça-feira, 11 de setembro, defende que a ação para prevenir a obesidade deve envolver instituições que educam as crianças desde cedo (família e escola, principalmente).


“Tem de haver mais consciencialização, tem de haver também políticas que possam levar, de facto, com que estes alimentos, refrigerantes, fritos, e tudo aquilo que é fast food, portanto, não apareça em primeiro plano em detrimento daquilo que seria uma alimentação saudável. Nós temos alguns programas que educam, a partir das escolas, isto também tem de partir das famílias. Portanto, é toda a sociedade, que deve se consciencializar que uma alimentação saudável nem sempre é aquela que parece ser a mais próxima a nós”, disse Carla Mucavi, diretora da FAO.


“Eu creio que, de facto, é alarmante o peso, o impacto que isso tem, sobretudo na saúde, na saúde das próprias pessoas, mas mesmo no sistema de saúde dos países, uma vez que encarece e que temos pessoas com doenças, portanto, difíceis. Estamos a falar até de uma conferência mundial que vai ter lugar nas Nações Unidas, que é as doenças não-comunicáveis”, acrescenta.


De acordo com a FAO, a desnutrição e a obesidade coexistem em muitos países. O mesmo documento aponta um aumento da fome no mundo, quando 821 milhões de pessoas (uma em cada nove) estão subnutridas.

Mundo: Fome aumenta e atinge 821 milhões

11 de Setembro de 2018

Informação é de estudo produzido por cinco agências das Nações Unidas. Situação piorou nos últimos três anos e afeta uma em cada nove pessoas no mundo. Houve melhoras no Brasil e Angola, mas piorou em Moçambique e Guiné-Bissau.


O número de pessoas subnutridas aumentou de 804 milhões em 2016 para cerca de 821 milhões em 2017. O relatório “Estado da Insegurança Alimentar e Nutrição no Mundo em 2018”, divulgado esta terça-feira, 11 de setembro, revela que o mundo regressou a níveis registados há 10 anos.


De acordo com a pesquisa, sem mais esforços urgentes, a comunidade internacional não vai cumprir o objetivo de erradicar a fome até 2030.


“É preciso melhorar a coordenação entre os órgãos internacionais e intergovernamentais, visando fortalecer as capacidades dos governos para que eles mesmo definam e implementem as políticas mais adequadas para a sua própria realidade. E é preciso implementar ações que fortaleçam a resiliência dos meios de subsistência e dos sistemas alimentares, inclusive as estratégias que visam a resiliência face aos eventos climáticos extremos”, afirma Anna Kepple, especialista em segurança alimentar e nutrição da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO).


Segundo o relatório, a situação está a piorar na América do Sul e em algumas regiões de África. A tendência de descida na Ásia também está a desacelerar de forma significativa. Quanto aos países lusófonos, Anna Kepple diz que a situação é difícil.


“A prevalência de subalimentação, que é o indicador de fome que a FAO usa desde longa data, aponta para quadros piores em Guiné-Bissau, Moçambique e Timor-Leste. Nesses países, é estimado que entre 24% e 30% da população pode estar sem acesso à energia alimentar suficiente para uma vida sã e ativa.”


Em Angola a situação melhorou, passando de 10,7 para 6,9 milhões, e o mesmo se passou no Brasil, descendo de 8,6 milhões para 5,2 milhões.


Em São Tomé e Príncipe e em Cabo Verde, a situação manteve-se, com menos de 100 mil pessoas subnutridas nos dois países. Em Portugal, os números também não mudaram, com menos de 300 mil pessoas nesta situação.


A pesquisa aponta a variação do clima e os eventos climáticos extremos, como secas e cheias, como os principais responsáveis pelo aumento da fome, além dos conflitos e da desaceleração económica.


“Os dados do relatório são um sinal claro de que existe muito trabalho para ser feito para alcançar o objetivo de não deixar ninguém para trás em relação à segurança alimentar e nutrição”, indica comunicado da ONU.

Uganda: A missão dos Combonianos no maior campo de refugiados do mundo

11 de Setembro de 2018

O campo de refugiados Bidi Bidi, no Uganda, abriga quase 300 mil pessoas e se assemelha a uma cidade. A experiência do Padre Pasolini Giuseppe Tonino, missionário comboniano que trabalha neste país africano há cinquenta anos, é descrita numa entrevista para o jornal italiano La Stampa.


“O acampamento existe há dois anos e meio... todo mundo quer ir para casa. Eles estão exaustos por anos de guerra e fome que os forçam a se mudar de um lugar para outro enquanto têm um lar”.


Texto completo em italiano.

O suicídio ainda é uma das principais causas de morte

10 de Setembro de 2018

As Nações Unidas assinalam esta segunda-feira, 10 de setembro, o «Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio».


Em 2016, esta foi a segunda causa de morte para pessoas entre os 15 e os 29 anos em todo o mundo. Todos os anos, cerca de 800 mil pessoas terminam com a sua vida.


Foi a pensar nestes números que a Organização Mundial da Saúde (OMS), lançou um guia que explica como as comunidades podem combater este fenómeno. O programa foi realizado em conjunto com a Comissão de Saúde Mental do Canadá.


A OMS explica que o suicídio não acontece apenas nos países desenvolvidos, mas que é um fenómeno global. Em 2016, mais de 79% de todos os suicídios ocorreram em países de baixa ou média rendas.


De acordo com a OMS, essa questão de saúde pública é séria, mas pode ser prevenida com intervenções atempadas, científicas e de baixo custo.


Apesar de existir uma ligação entre suicídio e problemas de saúde mental, muitas vezes este acontece em momentos de crise, quando existem problemas financeiros, o fim de uma relação, dor crônica ou doença.


Cerca de 20% de todas estas mortes acontece ingerindo pesticidas, normalmente em zonas rurais de países de baixa e média rendas. Outros métodos comuns são enforcamento e armas de fogo.


A OMS diz que conhecer os métodos mais usados é importante para encontrar estratégias de prevenção, como restringir o acesso a esses meios.


Segundo a agência, os esforços de prevenção requerem coordenação entre múltiplos setores da sociedade, como saúde, educação, trabalho e outros. Esses esforços “devem ser abrangentes e integrados, já que nenhuma abordagem sozinha pode causar impacto em um assunto tão complexo.”


A OMS indica várias estratégias que têm sucesso, como a introdução de medidas que reduzem os efeitos nocivos do álcool, identificação e tratamento de pessoas com problemas mentais e de dependência e formação de trabalhadores de saúde.


Por fim, a agência alerta para o estigma que envolve os transtornos mentais e o suicídio. Esse preconceito, avisa a agência, significa que as pessoas não recebem a ajuda de que precisam.


Neste momento, apenas alguns países incluem a prevenção do suicídio entre as suas prioridades de saúde. Somente 38 países têm uma estratégia nacional de prevenção do suicídio.

Vídeo do Papa dedicado aos jovens de África

10 de Setembro de 2018

Vídeo-mensagem do Papa Francisco para o mês de setembro pede que “rezemos para que que os jovens do continente africano tenham acesso à educação e ao trabalho em seu próprio país”.


“A África é um continente rico, e a maior riqueza, a mais valiosa da África, são os jovens.


Eles devem poder escolher entre deixar-se vencer pela dificuldade ou transformar a dificuldade em oportunidade.


O caminho mais eficaz para ajudá-los nesta escolha é investir em sua educação.


Se um jovem não tem oportunidade de educar-se, o que poderá fazer no futuro?


Rezemos para que os jovens do continente africano tenham acesso à educação e ao trabalho em seu próprio país”.


 

Combonianos de Itália escrevem Carta aberta ao Papa Francisco

10 de Setembro de 2018

Missionários Combonianos de Itália: Carta aberta ao Papa Francisco


Caro Papa Francisco, queremos dizer-te que estamos contigo e queremos expressar este sentimento ainda mais abertamente na hora em que uma campanha concertada de difamação e crítica maliciosa está a tentar minar a tua credibilidade pessoal e questionar o teu generoso esforço para renovar a Igreja, para torná-la mais conforme a vontade de Jesus. Nestas últimas semanas, então, a campanha de acusações chegou ao cume quando expoentes eclesiais te atacaram abertamente, chegando mesmo a pedir a tua renúncia, questionando a sinceridade e a correção do teu compromisso para acabar com o flagelo da pedofilia e dos abusos sexuais na Igreja.


Estamos convencidos de que ataques como estes, dentro e fora da Igreja, vindos de ambientes conservadores e reacionários, escondem a intenção não confessada de querer pôr-te de lado. Porque esses ambientes conservadores são fortemente opostos ao teu ensino social. Em várias ocasiões e de modo claro, através da palavra e do texto, Francisco, continuas a expressar a tua oposição ao atual sistema econômico global, intrinsecamente perverso porque é principalmente orientado para o lucro, em detrimento da dignidade das pessoas e causa da destruição da mãe Terra. Tudo isso é hostil a quem quer perpetuar o status quo e não quer perder os privilégios que derivam dele.


Caro Papa Francisco, estamos-te imensamente gratos pelo teu testemunho, feito de palavras e gestos concretos, que nos provocam e nos ensinam que ser cristão é viver como Jesus, no seu amor ao próximo, especialmente aos pobres.


Agradecemos a Deus pelo dom que nos faz através da tua presença à frente da Igreja e também queremos dizer-te que nos sentimos apoiados no nosso caminho de fé por teu constante compromisso pela paz, pelo desarmamento e contra o comércio de armas, pelo acolhimento aos imigrantes e pela proteção da criação.


Sentimos de o dizer como missionários que vivem em contato com o povo dos países do sul do mundo. E esta experiência tornou-nos ainda mais conscientes da necessidade de uma Igreja profética diante da iniquidade de um sistema econômico-financeiro predador que enriquece uma minoria e faz crescer a multidão dos deserdados no mundo.


Voltamo-nos para Deus em oração para que te conceda longos dias e te apoie com sua graça para que possas perseverar com o mesmo espírito e entusiasmo no anúncio da Boa-nova do Evangelho, fonte de esperança para crentes e não crentes que persistem no sonho de quererem construir um mundo diferente, mais respeitoso por cada pessoa e da criação.


Os Missionários Combonianos na Itália


Sexta-feira, 7 de setembro de 2018


 


Leia AQUI o texto original da Carta (em italiano).

Um ano de Missão em Moçambique

10 de Setembro de 2018

A Marisa Almeida, Leiga Missionária Comboniana (LMC), conta-nos como passou o seu primeiro ano de missão em Moçambique.


“A missão é a cada dia um mapa por decifrar e por conhecer. Por isso, a cada momento sinto-me a começar um tempo novo, não o do calendário, mas o da oportunidade da vida e o da salvação que pode acontecer sempre que Deus nos visita nas coisas mais pequeninas e aparentemente insignificantes. Cheguei a Moçambique há um ano. Mas continuo a começar e a caminhar para o Senhor das bênçãos a cada dia.”


O testemunho completo (e inspirador) pode ser lido AQUI. 


Marisa Almeida, LMC

No abraço de Deus

10 de Setembro de 2018

O P. José Carlos Mendes da Costa faleceu na tarde de 4 de setembro de 2018 no Seminário Comboniano de V. N. de Famalicão depois de uma longa luta contra o cancro. Tinha 71 anos.


Quando lhe perguntei que mensagem queria que eu levasse para Moçambique, respondeu: «Diz-lhes que estou em paz com a vida, que estou em paz com Deus.»


Ontem disse-me com voz cansada pelo telefone: «Reza para que eu aceite a vontade de Deus.»


Por vontade expressa o seu corpo foi sepultado no jazigo que os Combonianos têm no Cemitério de São Tiago de Antas.


O P. Zé Carlos nasceu em Oliveira do Hospital a 24 de janeiro de 1947.


Emitiu os primeiros votos no Instituto Comboniano a 15 de agosto de 1970 e foi ordenado padre a 11 de março de 1975.


Desenvolveu o seu serviço missionário em Portugal (Maia, Lisboa e VN de Famalicão), Quénia (1981-1990) e Moçambique (1997-2007).


Alegre, trabalhador, hospitaleiro: eis algumas marcas da sua rica personalidade.


Descansa agora no abraço terno e eterno de Deus. Que a sua partida prematura seja semente de novas vocações missionárias. Ámen.


Leia AQUI os testemunhos em memória do padre Zé Carlos.


José da Silva Vieira – Jirenna


 


 

MISSÃO+ 2018

04 de Setembro de 2018

O Missão+ é uma atividade missionária dos Jovens em Missão (JIM). O encontro aconteceu na paróquia de Camarate entre os dias 18 e 26 de agosto. O tema escolhido para 2018: “Arrisca Amar…Agarra a Missão”


A paróquia de Camarate e a Família Comboniana que ali trabalha na pastoral acolheu-nos de braços abertos, com entusiasmo e generosidade a toda a prova. Isso foi desde logo campo para uma experiência enriquecedora e frutífera no caminho de missão que queremos percorrer juntos.


Participaram 32 elementos, coordenados pelas Equipas JIM e membros da Família Comboniana. Participaram este ano, pela primeira vez, um grupo de 8 jovens Italianos que para além de terem mudado um pouco o “sotaque” trouxeram um belo sentido de internacionalidade e missão intercultural. “Grazie Italiani!”


Missão+ tem várias dimensões da Missão que procurámos partilhar juntos. As manhãs foram vividas na oração, partilha de experiências, avaliação e preparação das atividades de cada dia. No último sábado tivemos um dia de retiro para refletir sobre o chamamento à Missão e celebrar como comunidade a alegria da semana vivida em conjunto e comunhão com todos.


As tardes de cada dia foram dedicadas às atividades de animação e testemunho com as crianças, em vários grupos e lugares e com os idosos nos Lares da paróquia e também trabalhos de limpeza no Bairro da Torre. À noite, pela primeira vez, visitámos as comunidades locais da paróquia nas suas capelas e locais de oração. Foi uma experiência de grande alegria e sentido de missão para todos: para essas comunidades e para nós. Foi bonito o encontro, nunca visto, de tão elevado número de jovens com os pequenos grupos de gente idosa nas comunidades. Todos se sentiram gratos e alguns choraram de alegria na despedida.


Destes encontros, salientou-se a quinta-feira no Bairro da Torre. Celebrámos a missa na capela improvisada de céu aberto e numa tarde de ventania e frio que só a carrinha do Daniel ajudou a resguardar. Seguiu-se o jantar oferecido pela comunidade. Vivemos e partilhámos a realidade do bairro depois do incêndio que recentemente deixou 35 pessoas sem teto. O grande sentido e gestos de alegria e otimismo tocaram a todos.


No domingo, depois de dizer um adeus agradecido à Comunidade Cristã de Camarate na missa paroquial, todos partiram felizes, desejando já participar no Missão+ 2019. “Antes disso haverá o Natal+ 2018”, alertaram alguns. Cá estaremos todos. “Ai que saudades já tenho” ouviu-se de alguém com lágrimas nos olhos, que esqueceu o guião Missão+ onde tinha escrito: “Adorei o Missão+. Adorei conhecer todos os amigos. Vamos arriscar…Amar. Responder ao desafio, à maneira de Cristo e de Comboni”.


P. Carlos Alberto Nunes


Veja AQUI as fotos do Missão+ 2018.

Jornadas Missionárias 2018: Eu sou missão

02 de Agosto de 2018

Nos dias 15 e 16 de setembro realizar-se-á em Fátima, no Seminário Missionário Verbo Divino, as tradicionais e anuais Jornadas Missionárias.


O tema escolhido, “Eu sou missão”, enquadra-se na caminhada que os jovens, e com eles toda a Igreja, estão a realizar rumo ao Sínodo de Outubro: “Os jovens, a fé e o discernimento vocacional”.


Nestas jornadas procuramos sair do eu e ir ao nós, da simples relação à partilha, da autorreferencialidade à alteridade. Fomentar a procura, o sentido e o encontro, a empatia e não entorpecer o diálogo… Queremos ser missão, anunciar com a vida e com as obras o Reino de Deus.


Grupo de Jovens da Família Comboniana

Galeria


Comentários

Mostrar comentários | Escrever um comentário