PJuvenil Multimédia Palavra de Deus Oração em Missão Antigos Alunos

» Favoritos

» Recomendar

» Imprimir

» Fale Connosco

Revista Além-mar Revista Audácia Jornal Família Comboniana Exposição Missionária Virtual Facebook RSS
Indique o seu e-mail:
Utilizador:
Password:
 

Actualidades

Voltar ao arquivo de Actualidades

Papa: Não quero trabalho irregular no Vaticano

22 de Dezembro de 2017

Durante uma sessão de apresentação de boas festas aos funcionários da Santa Sé, o Papa Francisco abriu seu discurso a dizer: “A primeira palavra que eu gostaria de lhes dizer é trabalho. Mas não para dizer trabalhem mais, e mais rápido. Não! É para agradecer-lhes!”.


Em relação ao trabalho precário, o pontífice sustenta que não pode ter lugar no seio da Igreja Católica.


“Não podemos pregar a Doutrina Cristã e ter depois em casa este problema. Assim como não podemos deixar ninguém sem trabalho, a menos que já tenha um acordo ou uma alternativa válida”, sustentou.


Depois o Papa destacou a “família”, assegurando que “sofre ao saber quando uma família está em crise, que existem crianças que se angustiam, porque veem que a família é..., é um problema!”.


O Papa recomendou então a estas famílias, para deixarem-se ajudar. “Por favor, salvar a família. Eu sei que não é fácil, há tantos problemas em um matrimônio. Mas procurem pedir ajuda enquanto há tempo. Enquanto há tempo. Proteger a família!”.


E, “nunca briguem diante das crianças, nunca!” - foi seu conselho - pois as “crianças sofrem”. Se há dificuldades, "que ao menos as crianças não sofram".


“A família é um grande tesouro, porque Deus nos criou família. A imagem de Deus é o matrimónio, homem e mulher, fecundos, “multiplicai-vos”, façam filhos, sigam em frente”.


Francisco falou ainda sobre o “perdão” e pediu mesmo “perdão e desculpas porque nem sempre damos um bom exemplo. Na vida há erros, pecados, injustiças que também nós clérigos cometemos”.


A última palavra é o augúrio de Natal: “Feliz Natal, no coração, na família e também na consciência. Não tenham medo, também vocês, de pedir perdão se a consciência acusa de alguma coisa. Procurem um bom confessor e façam uma boa limpeza”.


E não esqueçamos – disse Francisco ao concluir – os doentes que talvez existam em nossas famílias, que sofrem: “enviar uma bênção também a eles”.


 

Comentários

Mostrar comentários | Escrever um comentário