PJuvenil Multimédia Palavra de Deus Oração em Missão Antigos Alunos

» Favoritos

» Recomendar

» Imprimir

» Fale Connosco

Revista Além-mar Revista Audácia Jornal Família Comboniana Exposição Missionária Virtual Facebook RSS
Indique o seu e-mail:
Utilizador:
Password:
 

Palavra de Deus

Voltar ao arquivo de Palavra de Deus

Fé para ser Missionários da Vida

XIII Domingo do Tempo Comum: Ano B – 01.07.2018


 


Sabedoria 1,13-15; 2,23-24


Salmo 29


2Coríntios 8,7.9.13-15


Marcos 5,21-43


 


Reflexões


Volta em força o tema da vida, nas três leituras deste domingo: a vida como projecto inicial e definitivo de Deus (I leitura), a vida que, graças à fé, vence a doença e a morte (Evangelho), e a vida partilhada na caridade (II leitura). No Antigo Testamento, o crente bíblico tinha, em geral, uma consciência e uma relação muito nebulosa acerca da morte e da vida ultraterrestre. São excepção alguns textos próximos ao Novo Testamento, como o livro da Sabedoria (I leitura), que se mostra determinado em dar-nos uma das mais belas definições de Deus, como «Senhor, amante da vida» (11,26). O texto hodierno afirma que «Deus não criou a morte… criou o homem para a incorruptibilidade» (v. 13.23). As coisas da criação são boas, são feitas para existir, são portadoras de salvação, porque provêm do Deus da vida. Com o seu projecto de vida, Deus não tencionava isentar as suas criaturas do fim natural que é herança de todo o ser limitado. Infelizmente o plano divino foi destruído, ainda que parcialmente: «foi pela inveja do demónio que a morte entrou no mundo» (v. 24). De facto, o pecado, que é a morte espiritual, a que o homem se entrega livremente, transtornou a ordem natural e continua a agravar no sofrimento os passos decadentes da existência humana.


Deus pôs em acção por nós a desforra sobre o sofrimento e sobre a morte, por meio da fé, à qual Jesus convida os interlocutores dos dois milagres que o evangelista Marcos narra com pormenores abundantes (Evangelho). A mulher que perde sangue há doze anos (tempo longo e completo), delapidada por médicos e tratamentos, considerada legalmente impura (por contacto com o sangue), está inteiramente desenganada. Só lhe resta o atalho da fé, escondida e secreta: tocar as vestes de Jesus. Basta-lhe chegar perto dele, tocar-lhe, e o milagre é feito: «Filha, a tua fé te salvou. Vai em paz e sê curada do teu mal» (v. 34). Finalmente está salva, em paz, curada: é filha, porque Jesus lhe deu a vida. É o milagre da fé! A mesma fé à qual Jesus convida Jairo, o pai da menina de doze anos acabada de morrer: «Não temas; basta que tenhas fé!» (v. 36). A Jesus é suficiente tomar a menina pela mão e dizer-lhe: «Levanta-te!» E ela levanta-se, caminha e começa a comer (v. 41-42).


São Paulo convida os cristãos de Corinto (II leitura) a descobrir na fé o valor evangélico da partilha dos bens a favor de quem está em necessidade. Neste caso, o apelo de Paulo é a favor dos pobres da comunidade de Jerusalém, mas as três motivações teológicas sobre as quais o apóstolo se baseia são válidas para cada tempo e situação: Antes de mais, o exemplo de Cristo, o qual escolhe fazer-se pobre por nós (v. 9), é um convite a assumir os sentimentos de partilha e de gratuidade. Além disso, Paulo sublinha o valor da igualdade (v. 13-14) como exigência da verdadeira fraternidade que se inspira no Evangelho. Por fim, aludindo à experiência dos israelitas com o maná no deserto, Paulo alerta os cristãos contra a tentação de acumular os bens para si esquecendo os outros (v. 15). São indicações preciosas para motivar e sustentar as necessárias iniciativas de cooperação missionária, mas também os grandes projectos e as campanhas de desenvolvimento e de promoção humana a favor dos famintos e de outros grupos humanos que vivem na indigência. Na proximidade do encontro anual do «G8» juntamente com outros poderosos da terra, o Papa levanta a sua voz reclamando soluções eficazes, respostas verdadeiras, rápidas e generosas em benefício dos últimos da terra. (*)


Nas três leituras de hoje, a fé aparece como resposta capaz de oferecer uma solução global a realidades vitais como a saúde, a vida, a fraternidade… A fé, de facto, é capaz de dar consolação no sofrimento e esperança até mesmo perante a morte. É capaz de criar e sustentar uma fraternidade nova, uma vida de partilha na caridade. Uma vida de irmãos, iguais e solidários, é possível! É utopia do Evangelho? Bem-vinda! É este – e não podem ser outros – o programa de quantos são chamados e optam por ser missionários da Vida! Como Jesus, como Paulo…


Palavra do Papa


(*) «Os episódios (Evangelho) — uma cura e uma ressurreição — têm um único centro: a fé. A mensagem é clara, e pode resumir-se numa pergunta: acreditamos que Jesus nos pode curar e despertar da morte? Todo o Evangelho está escrito à luz desta fé: Jesus ressuscitou, venceu a morte, e por esta sua vitória também nós ressuscitaremos… A Palavra de Deus deste domingo convida-nos a viver na certeza da ressurreição: Jesus é o Senhor, Jesus tem o poder sobre o mal e sobre a morte, e deseja levar-nos à casa do Pai, onde reina a vida.


Papa Francisco


Angelus, domingo 28 de junho de 2015


No encalço dos Missionários


- 1/7: S. Oliviero Plunkett (1629-1681), nascido na Irlanda, estudou em Roma e ensinou teologia no Colégio romano de Propaganda Fide; foi arcebispo de Armague (Irlanda) e martirizado em Londres.


- 1/7: B. Inácio Falzon, clérigo de Malta (La Valeta, 1813-1865), dedicado à instrução cristã e à conversão de militares e fuzileiros.


- 1/7: B. António Rosmini (1797-1855), sacerdote e fundador, homem de extraordinária profundidade de pensamento e de vida cristã. Foi incompreendido por alguns dos seus escritos e condenado injustamente pela hierarquia da Igreja, em relação à qual ele manteve sempre o seu amor e obediência.


- 3/7: S. Tomé, apóstolo, professou a sua fé em Cristo ressuscitado e, segundo a tradição, evangelizou a Índia.


- 4/7: S. Isabel de Portugal (1271-1336), da ordem terceira franciscana, bateu-se pela pacificação e reconciliação em família, e entre Portugal e Espanha.


- 6/7: B. Maria Teresa Ledóchowska (1863-1922), empenhou-se pela libertação dos escravos africanos e fundou as Irmãs Missionárias de S. Pedro Claver.


- 6/7: B. Nazaria I. March Mesa (1889-1943), espanhola, emigrou para o México; missionária na Bolívia e Argentina; fundadora.


- 7/7: B. Pedro To Rot (Papua-Nova Guiné, 1912-1945), leigo catequista, casado, assassinado pelos japoneses, com uma injecção letal, no final da II Guerra Mundial.


- 7/7: B. Maria Romero Meneses (1902-1977), salesiana da Nicarágua, dedicada às obras de caridade.


Colaboração e agradecimentos


Coordenação: P. Romeo Ballan - Missionários Combonianos (Verona)


Sítio Web: «Palavra para a Missão»