PJuvenil Multimédia Palavra de Deus Oração em Missão Antigos Alunos

» Favoritos

» Recomendar

» Imprimir

» Fale Connosco

Revista Além-mar Revista Audácia Jornal Família Comboniana Exposição Missionária Virtual Facebook RSS
Indique o seu e-mail:
Utilizador:
Password:
 

Actualidades

Voltar ao arquivo de Actualidades

União Europeia convocada para resolver tragédia humana no Mediterrâneo

28 de Junho de 2018

A Agência da ONU para Refugiados (UNHCR) e a Organização Internacional para Migrações (IOM) pedem aos países da União Europeia que atuem para resolver a “tragédia humana” que afeta migrantes no Mediterrâneo.


Em nota, as agências pedem “ação ampla para reduzir significativamente a perda desnecessária de vidas no mar”. Perto de mil refugiados e migrantes já morreram ao tentar chegar à Europa este ano.


As agências da ONU dizem que “é necessária uma nova abordagem colaborativa para tornar mais previsível e fácil de gerir o desembarque de pessoas resgatadas no mar”.


De acordo com a nota, essa nova estratégia deve basear-se na colaboração entre União Europeia, ONU e União Africana. As pessoas resgatadas em águas internacionais devem ser levadas para locais seguros na Europa e outros lugares.


O alto comissário da ONU para Refugiados, Filippo Grandi, lembrou os navios no Mediterrâneo, transportando refugiados e outros migrantes resgatados, que foram impedidos de atracar “devido a um impasse político na Europa”.


Grandi diz que a defesa do direito de asilo na União Europeia é “absolutamente crucial”. Segundo ele, “negar resgate ou transferir a responsabilidade para outro lugar é completamente inaceitável”.


O diretor-geral da IOM, William Lacy Swing, explicou que a "prioridade é salvar as vidas de todos aqueles que foram vítimas de contrabandistas".


A IOM e o UNHCR pedem que os Estados-membros usem o Conselho Europeu, que começa esta quinta-feira, 28 de junho, em Bruxelas, na Bélgica, para encontrar uma nova abordagem para o tema.


Segundo as agências, “o apoio europeu, a solidariedade e a colaboração com os países anfitriões de refugiados tornaram-se mais importantes do que nunca”.

Comentários

Mostrar comentários | Escrever um comentário