PJuvenil Multimédia Palavra de Deus Oração em Missão Antigos Alunos

» Favoritos

» Recomendar

» Imprimir

» Fale Connosco

Revista Além-mar Revista Audácia Jornal Família Comboniana Exposição Missionária Virtual Facebook RSS
Indique o seu e-mail:
Utilizador:
Password:
 

Actualidades

Voltar ao arquivo de Actualidades

Venezuela: Extrativismo destrói povos e florestas

10 de Abril de 2018

A Conferência Episcopal Venezuelana apresentou o documento “Amazónia venezuelana: o grito da terra e dos povos exige respeito”, assinado pela Rede Eclesial Pan-amazónica (REPAM) com o apoio dos bispos venezuelanos e da Caritas Venezuela: uma denúncia firme contra o aumento da atividade extrativa da mineração e a destruição e saque da floresta.


O documento faz um apelo à sociedade civil e às instituições para unirem esforços e serem a voz dos povos indígenas vítimas do incremento da atividade extrativa, que viola as regras da mineração e depreda a natureza na Amazónia.


É denunciado o modelo de exploração aplicado na Venezuela e em muitos países da América Latina e do mundo, cujas consequências são um desenvolvimento insustentável, uma aceleração do empobrecimento e uma forte dependência das variações do mercado –administrado por corporações transnacionais.


“As atividades extrativas fazem parte de um modelo económico dominante, que separou a humanidade da natureza”, destaca o relatório.


O documento recorda os clamores de organizações indígenas e ambientalistas contra a atual destruição na Amazônia, “que até agora receberam como resposta apenas silêncio e represálias”, como massacres e execuções devidas a “poderosos interesses” no campo.


Dom José Angel Divasson, presidente da Repam Venezuela, observou que a questão socioambiental é apenas um dos muitos problemas das comunidades indígenas: “Eu sou testemunha da dor do povo que morre intoxicado pelas águas contaminadas pelo mercúrio”, disse, acrescentando que “a exploração minerária não pode ser a solução dos problemas econômicos da Venezuela”.


Também o geógrafo Hector Escandel, coordenador da REPAM na comunidade de Puerto Ayacucho, definiu esta exploração como “parte de um modelo predatório de desenvolvimento que não produz bem-estar, mas pobreza e exclusão”. Por isso, a REPAM pede uma reflexão sobre estes temas e o respeito dos direitos dos povos indígenas e do meio ambiente, assim como reza a Encíclica do Papa Francisco, Laudato si.

Comentários

Mostrar comentários | Escrever um comentário