PJuvenil Multimédia Palavra de Deus Oração em Missão Antigos Alunos

» Favoritos

» Recomendar

» Imprimir

» Fale Connosco

Revista Além-mar Revista Audácia Jornal Família Comboniana Exposição Missionária Virtual Facebook RSS
Indique o seu e-mail:
Utilizador:
Password:
 

Actualidades

Voltar ao arquivo de Actualidades

Rep. Centro-Africana: Bispo de Bangassou recebe o secretário-geral da ONU

31 de Outubro de 2017

O secretário-geral das Nações Unidas (ONU), António Guterres, encontrou-se no passado dia 26 de outubro com o bispo de Bangassou, Juan José Aguirre Muñoz, na República Centro-Africana.


“Falei com ele sobre as misérias da população de Bangassou e como elas poderiam ser diminuídas relocando os refugiados muçulmanos do seminário para um lugar mais digno e possibilitando o início das aulas”, contou o prelado comboniano.


“Em resposta – Guterres – falou sobre os pontos que mencionei, citando o meu nome várias vezes, mas sem nada concreto, senão que vão mandar mais soldados para Bangassou e vão ver o que pode ser feito para deter os violentos que agora estão a atacar aldeias a 100 km de Bangassou”, acrescentou o bispo, natural de Córdoba (Espanha).


Guterres, que esteve de visita a África Central, fez um apelo à unidade e mostrou a intenção das Nações Unidas de reconstruir o país, depois de anos de conflito e das recentes eleições.


Sobre a violência religiosa, o secretário-geral da ONU falou de “divisões resultantes de manipulação política, que devem ser condenadas e evitadas a todo o custo. Levantem a sua voz a favor de uma reconciliação efectiva”, disse Guterres.


Guterres também pediu à comunidade internacional mais apoio para aumentar o tamanho e a capacidade da Missão Multidimensional Integrada de Estabilização das Nações Unidas no país, a MINUSCA, com o objectivo de proteger melhor a população. Em seu último relatório ao Conselho de Segurança sobre o país, o secretário-geral solicitou 900 soldados adicionais para a Missão.


O secretário-geral reuniu-se com os deslocados internos na cidade de Bangassou. O número de deslocados pelo conflito no país atingiu 1,1 milhão de pessoas, o número mais alto registado até ao momento. Deste total, 600 mil são deslocados internos.


Estima-se que metade da população necessite de assistência humanitária para sobreviver.

Comentários

Mostrar comentários | Escrever um comentário