PJuvenil Multimédia Palavra de Deus Oração em Missão Antigos Alunos

» Favoritos

» Recomendar

» Imprimir

» Fale Connosco

Revista Além-mar Revista Audácia Jornal Família Comboniana Exposição Missionária Virtual Facebook RSS
Indique o seu e-mail:
Utilizador:
Password:
 

Pedidos de Oração

Voltar ao arquivo de Pedidos de Oração

Outubro Missionário 2010 - Guião

Segunda Semana (11 a 17 de Outubro)

SACRIFÍCIO

 

 

Objectivos

  

O Encontro desta semana deve levar-nos:

 

1º Sintonizar o coração com a paixão do mundo e com a paixão de tantos evangelizadores (Leigos, Padres, Religiosos/as);

 

2º Criar na comunidade em que nos encontramos uma sintonia orante com a Igreja e com a missão evangelizadora da Igreja que se descobre sempre, e sempre se renova, aos pés da cruz e na lógica da Ressurreição.

  

Preparar o espaço do encontro

 

  

Colocar no espaço em que se realiza o encontro uma cruz e ao seu lado as seguintes afirmações: “Por Ti”, “Por amor”, “Para sempre” e também algumas flores espalhadas pelo chão e pequeninas velas acesas.

  

Introduzindo…

  

Sacrifício…o que suscita em mim esta palavra? Talvez ruído interior e incómodo…Talvez o desassossego do coração e da inteligência…Talvez o medo. No nosso tempo, no nosso dia-a-dia, a cultura que nos rodeia procura evitar a todo o custo o sacrifício, aliás esta é uma palavra “desactualizada”… ou até mesmo proibida! Somos deste tempo e estamos muitas vezes habituados (talvez por conveniência masoquista) a um “micro-clima espiritual” que deturpa o sentido mais profundo da fidelidade e que faz ver apenas um dos lados da moeda, o sacrifício aparece-nos então (e só!) como “algo que custa muito, o que faz sofrer, o que se deve evitar”. Esta é uma forma deturpada de ler a realidade, de vivê-la e assumi-la com os olhos da fé, com o vigor da esperança, com a determinação do coração e da inteligência.

 

 

Etimologicamente a palavra Sacrifício significa “tornar sagrado”, por isso ela remete-nos para um horizonte muito mais amplo da vida e do nosso compromisso em sermos um Evangelho aberto, que pode ser lido por todos em todas as circunstâncias. Sacrifício implica uma dinâmica de amor, só amor, oblativo, gratuito, alegre, fiel…até ao fim, como o de Jesus. Falar de sacrifício significa então aceitar a lógica do amor (da Cruz e da Ressurreição) fazendo de todas as coisas e ajudando cada pessoa a tornar sagrado cada momento, cada palavra, cada gesto…

 

 

Sacrificar-se torna-se então, na fé, na esperança e no amor, fazer como Jesus fez, ser como Ele foi, viver como Ele viveu. E tu, diante de tudo isto, onde estás?...

 

  

Cântico:

 

- Mesmo na Tempestade

 

- Me chamaste para Caminhar contigo na vida

 

- Somos um Povo que caminha

  

Saudação Inicial do Presidente (e depois introduz a oração do seguinte modo):

  

Irmãos e Irmãs todas as vezes que a Igreja se reúne em oração e volta o seu olhar para o céu, não fugimos da realidade mas comprometemo-nos ainda mais com ela colocando todas as coisas no coração de Deus. Vamos por isso rezar juntos, pedindo a Deus Trindade e fonte de todo o amor, que nos fortaleça para sermos fiéis ao projecto de ser e levar o amor do Pai pelas estradas do mundo, como Jesus e na força do Espírito Santo. Rezemos:

 

  

Senhor, nosso Deus e nosso Pai, Tu nos chamas e nos reúnes, para em Ti, com Jesus e o Espírito Santo, experimentarmos o Teu amor terno e misericordioso e o tornarmos vida no coração dos homens e mulheres nossos irmãos.

 

 

Fortalece Senhor a nossa Esperança, dá coragem aos nossos passos e simplicidade aos nossos gestos, e na hora da tribulação, do medo ou do desespero, derrama sobre nós o Teu Espírito, para que vindo em auxílio da nossa fraqueza, nos encha da Paz que só Tu és e só TU podes dar. Tudo isto Te pedimos pela nossa Fé em Jesus Teu filho, que vive Contigo e com o Espírito Santo pelos séculos sem fim.

 

  

Escutemos a Palavra…

  

Pode cantar-se um cântico de aclamação ao Evangelho

 

Lê-se  pausadamente João 13, 1-17

  

Pode tomar-se para a reflexão alguns dos pontos seguintes:

  

* Estamos no contexto da Páscoa judaica e Jesus, que tinha vindo a instruir o coração dos seus amigos, entra na fase derradeira…está no mundo, ama os que estão no mundo até ao fim…não desiste diante da hora amarga e difícil que tem de enfrentar…Ele sabe o que o espera e que poucos vão esperar essa hora com Ele…mesmo assim não hesita em ter um gesto que marque definitivamente a história da humanidade…sacrificar-se é acolher e ser acolhido, é amar e deixar-se amar. À mesa, desconcertando todas as nossas lógicas (às vezes muito certinhas mas pouco santas), o Mestre toma o lugar e as atitudes do servo…começa por lavar os pés aos seus amigos.

 

  

Também tu deixas que Jesus te lave os pés quando te envia um amigo, uma palavra de conforto, um carinho?... Acolhes tudo isso como um “lavar-te os pés” da parte de Deus que se serve de pessoas concretas para vir ao teu encontro ou nem sequer ligas e persistes na atitude orgulhosa de Pedro?

   

* Depois do gesto o Mestre senta-se e explica-o convidando a que os discípulos sejam reconhecidos por tal gesto… e tu, Como é que tens lavado os pés aos irmãos? Aceitas este desafio de Jesus e vivê-lo ou o medo/comodismo é mais forte? Foi o Mestre que nos disse que aqui está a causa da nossa alegria verdadeira, daquela alegria que nada nem ninguém nos pode tirar…Ele revela-nos neste gesto que nos deseja como servos de todos, para todos, sobretudo para os que andam cansados e oprimidos, esmagados sobre os seus sofrimentos…

 

  

Disse-lhes Jesus: “assim como eu fiz, faz tu também”. Quais os sentimentos que tomam conta do teu coração quando ouves isto?...Santa Teresinha, padroeira das Missões, dizia que “amar é dar-se todo, é dar-se a si mesmo”. No nosso contexto evangelizador, na nossa comunidade paroquial, religiosa ou diante do vasto horizonte da missão universal da Igreja “sacrificar-se é dar-se todo, é dar-se a si mesmo”. Estás disposto/a a isso?

 

  

Fazer um pequeno momento de silêncio e interiorização

  

Concluir este momento com um cântico:

 

- Seduziste-me Senhor, e eu me deixei seduzir, numa luta desigual…

 

- Deus é amor, atreve-te a viver por amor, Deus é amor, nada há a temer (Taizé)

  

A Palavra faz-nos rezar…

  

Presidente:

 

Irmãos e irmãs elevemos para Deus a nossa oração confiante e peçamos-Lhe que nos ajude a manter viva no nosso coração a chama do Seu Amor eterno, dizendo:

   

Pai de Bondade escuta a oração dos Teus filhos

   
  1. Pelo Papa Bento XVI para que na fidelidade ao seu ministério seja sempre alegre na esperança, paciente na tribulação e perseverante na oração, Senhor escuta-nos.
 
  1. Por todas as comunidades paroquiais, e por todos os baptizados que as constituem, para que encontrem sempre na partilha fraterna, na oração e na comunhão da fé o sustento para uma fidelidade cada vez maior a Cristo e ao Seu Evangelho, Senhor escuta-nos.
 
  1. Por todos aqueles que apenas conseguem ver no sacrifício, na doação total, um poço eterno de sofrimento, para que descubram em Jesus, e com Ele, a alegria de servir até ao fim, Senhor escuta-nos.
 
  1. Por todas as famílias, para que sejam verdadeiramente uma Igreja doméstica e para que encontrem sempre no esforço da fidelidade quotidiana o alimento e a meta da sua fé, Senhor escuta-nos.
 
  1. Por todas as crianças, para que no caminho da vida aprendam os valores do evangelho pelos sacrifícios feitos por todos os que as rodeiam, Senhor escuta-nos.
 
  1. Por todos os missionários e missionárias para que a doação da sua própria vida aos outros, seja sempre sinal do Amor de Cristo, Crucificado-Ressuscitado, Senhor escuta-nos.
 
  1. Pelos Jovens que sentem o apelo à missão, para que no encontro pessoal e profundo com Cristo acolham dele a coragem para fazer de cada dia e de cada gesto um espaço de anúncio da boa nova, Senhor escuta-nos.
 

Presidente: Pai Nosso…

  

Uma Palavra que nos compromete e envia

  “Não é o servo maior do que o seu Senhor, nem o enviado maior do que aquele que o enviou”. Na minha vida, quantas vezes paro para pensar, não nas coisas que fiz pelos outros, mas nos gestos que outros fizeram por mim? Nas palavras e silêncios que me deram e que me fizeram crescer na minha fé e na minha relação com os que me rodeiam? Nas coisas sagradas que tenho na minha vida?... “Lavar os pés” Desafia-nos a servir e a aprender a acolher. E quantas vezes acolher não é mais difícil de aceitar que o servir… Apenas quem ama pode servir e acolher porque não está centrado em si. Normalmente temos tendência a olhar para cima para encontrarmos o que é sagrado e tantas vezes o que é sagrado está mesmo "cá em baixo", ao nosso lado, diante de nós…basta re-centrar o olhar. Que propósito missionário faço para este novo ano pastoral que agora começa?   

- Em grupo preparar para cada mês que se segue, até ao próximo mês missionário, um espaço na comunidade (num cartaz, folha, uma projecção em powerpoint,…) onde em cada mês é dado a conhecer à comunidade uma vida, uma instituição ou gestos concretos de serviço de amor total e gratuito.

 

  

- O Grupo pode também preparar para cada mês uma pequena oração de esperança/gratidão por todo o bem que Deus continua a realizar no e pelo coração dos homens e mulheres.

 

  

Bênção

 

Cântico Final: Grão de Trigo