PJuvenil Multimédia Palavra de Deus Oração em Missão Antigos Alunos

» Favoritos

» Recomendar

» Imprimir

» Fale Connosco

Revista Além-mar Revista Audácia Jornal Família Comboniana Exposição Missionária Virtual Facebook RSS
Indique o seu e-mail:
Utilizador:
Password:
 

Actualidades

Voltar ao arquivo de Actualidades

Dimensão missionária da mensagem de Fátima

12 de Maio de 2017

Centenário das aparições de Fátima


Ir. Gertrudes Ferreira, Irmãs Reparadoras de Nossa Senhora de Fátima


O Ano Jubilar do Centenário das Aparições em Fátima convida-nos a aprofundar o essencial da mensagem de Fátima – o chamado evangélico à conversão – e a assumir com responsabilidade a nossa vocação de discípulos missionários, abraçando o mundo inteiro com o coração. Como referem os bispos portugueses, «a Igreja encontra, em Nossa Senhora do Rosário de Fátima, da Senhora do Coração Imaculado, e na sua mensagem um valioso instrumento catequético para a sua vida e missão de evangelizadora no nosso milénio».


O centenário das aparições de Nossa Senhora na Cova da Iria, que tem o seu ápice no 13 de Maio de 2017, impele-nos a entrar em profundidade no cerne da mensagem que Nossa Senhora veio trazer a Portugal e ao mundo, por intermédio de três crianças simples e inocentes e a acolhermos o seu significado para os dias de hoje. Como expressa o boletim Apóstolo de Fátima: «Há cem anos, no planalto agreste da serra de Aire implantou-se um pedaço de céu. Os tempos, na Europa e em Portugal, eram difíceis e adversos. Em seis aparições, a Virgem Maria falou com três pequenos pastores e confiou-lhes uma mensagem. A partir de então, Lúcia, Francisco e Jacinta, sem terem consciência disso, tornaram-se veículo de uma missão sobrenatural para todo o mundo.»


As três crianças, entre os sete e os dez anos de idade, assumiram com valentia e alegria a sua vocação de testemunhas, de discípulos missionários: com a palavra, a oração, o sacrifício, a entrega da própria vida a Deus. Neste centenário, como referem os bispos portugueses, «desejamos dar graças a Deus por nos permitir viver este acontecimento, que nos enche de júbilo, e reafirmar a actualidade da sua mensagem para a revitalização da nossa fé e do nosso compromisso evangelizador.» (Fátima, sinal de esperança para o nosso tempo. Carta Pastoral da Conferência Episcopal Portuguesa no Centenário das Aparições de Nossa Senhora em Fátima).


Os papas, peregrinos de Fátima, desde São João Paulo II, Bento XVI e o actual Papa Francisco, têm afirmado repetidamente, não apenas com palavras, mas com actos concretos, que a mensagem de Fátima é actual e necessária para os nossos tempos. São João Paulo II recordava-nos que a «mensagem de Fátima é destinada de modo particular aos homens do nosso século, marcado pelas guerras, pelo ódio, pela violação dos direitos fundamentais do homem, pelo enorme sofrimento de homens e nações e, por fim, pela luta contra Deus, impelida até à negação da sua existência». Por isso é que a mensagem de Fátima continua profundamente actual.


A mensagem é interpelação para o mundo inteiro


Na primeira aparição, a 13 de Maio de 1917, Nossa Senhora perguntou às três crianças: «Quereis oferecer-vos a Deus para suportar todos os sofrimentos que Ele quiser enviar-vos, em acto de reparação pelos pecados com que Ele é ofendido e de súplica pela conversão dos pecadores?» A resposta foi pronta: «Sim, queremos», disseram. «Ides, pois, ter muito que sofrer», disse-lhes Nossa Senhora. E ainda disse mais: «Rezem o terço todos os dias para alcançar a paz para o mundo.» A paz no mundo parece estar condicionada à oração. É preciso pedir a paz: paz para o mundo, paz para os corações, paz para as famílias, para a sociedade em geral. Em cada uma das seis aparições, Nossa Senhora pediu insistentemente oração, conversão do coração, aceitação de Deus na nossa vida. Onde está Deus não existe o ódio, nem a violência, nem a guerra, porque Deus é amor.


Os pastorinhos foram respondendo desde logo a estes apelos, com oração, com sacrifícios e com a entrega total das suas vidas. Não se cansavam de repetir a oração ensinada pelo Anjo no ano anterior ao das aparições de Nossa Senhora, e que os preparou para as mesmas: «Meu Deus, eu creio, adoro, espero e amo-Vos: peço-vos perdão para os que não crêem, não adoram, não esperam e não Vos amam.» Eles perceberam que a sua vida era essencialmente uma vida de entrega pelos outros, principalmente pelos pecadores e assumiram essa missão com responsabilidade. Como diria mais tarde a Ir. Lúcia, «não podiam ir felizes para o céu sozinhos, não podiam ser felizes sem os outros» (Como Vejo a Mensagem, p. 32).


A mensagem de Fátima é essencialmente um dom inefável de graça, de misericórdia, de esperança e de paz, que nos impele ao acolhimento e ao compromisso, à semelhança das três crianças (Cf. Fátima, sinal de esperança para o nosso tempo, 6-7). Ainda hoje, diz o Papa Francisco, «quando vivemos uma terceira guerra combatida em episódios, a mensagem da Senhora de Fátima agita as nossas consciências para reconhecermos a tarefa desta hora histórica: a tarefa de não nos deixarmos cair na indiferença diante de tanto sofrimento; de respeitarmos a memória das tantas vítimas inocentes; de não deixarmos que o nosso coração se torne insensível ao mal tantas vezes banalizado».


A irradiação de Fátima pelo mundo


Ao longo de todos estes anos, as peregrinações a Fátima têm sido ocasião para vivências espirituais profundas de louvor e gratidão a Deus e têm contribuído para a revitalização da fé de muitos crentes, para a conversão de muitos corações e para a renovação da vida cristã, não só em Portugal, mas no mundo. Desde 1947, a imagem de Nossa Senhora de Fátima fez-se peregrina, percorrendo numerosos países como mensageira da paz e da reconciliação. A sua presença, em qualquer parte do mundo, é sempre acolhida com enorme entusiasmo e por onde passa deixa a sua marca indefectível nos corações, que se abrem à graça da influência materna de Maria, que outra coisa não deseja que conduzir os seus filhos para Deus.


A mensagem de Fátima é, essencialmente, um veemente apelo à conversão e à penitência. O pedido repetido para que os homens não ofendam mais a Deus, a tristeza de Nossa Senhora perante os pecados cometidos, o convite à oração e ao sacrifício pelos pecadores, tudo indica o objectivo primeiro e único da mensagem: a regeneração de todos os homens, e a instauração da paz e da concórdia no mundo, para que todos os homens vivam em doce harmonia, segundo os planos do Criador.


Fátima ergue-se como palavra profética de denúncia do mal e compromisso para o bem, promovendo a justiça e a paz, valorizando o respeito e a dignidade de cada ser humano. Neste 13 de Maio, com a presença do papa, é toda a Igreja que, sob o olhar de Maria, se compromete e empenha na luta pela instauração do reinado de Cristo no mundo.


O centenário não é um simples festejo, mas sim o renovar de uma missão, a missão que Nossa Senhora confia aos pastorinhos de hoje: tudo fazer para que as forças do mal sejam detidas e continuem a crescer as forças do bem. É essa a missão que recebemos dos 100 anos de Fátima: herdeiros e seguidores dos pastorinhos. Com eles, seremos missionários da paz e comprometemo-nos na corrente mundial de oração e gestos pela paz que o Papa Francisco nos propõe.


Existe uma geração cheia de força, esperança e caridade que se quer comprometer com Nossa Senhora pela Paz. Esse será o testemunho dos pastorinhos do século xxi e a marca de Deus no meio da vida das aldeias e das cidades que tantas vezes não encontram sentido no dia-a-dia.


Os cristãos, fiéis à mensagem de Fátima, não querem mais virar costas à guerra, ao sofrimento dos outros e à miséria. Querem sentir-se solidários com os irmãos que sofrem, fogem, gritam. Não vão cruzar os braços e descartar a sua responsabilidade pelos pobres, nem fechar os olhos aos desorientados que precisam de Jesus e de Maria, para dar sentido e paz aos seus corações. Como dizem os bispos, «na sua dupla dimensão mística e profética, Fátima – na sua mensagem e no seu Santuário – tem uma missão a cumprir na Igreja e no mundo: ser farol e estímulo para a conversão pastoral da Igreja e critério e bússola a orientar o compromisso dos cristãos nos conflitos do nosso mundo».


Os “pastorinhos” de 2017 recebem a missão de vencer a indiferença num abraço ao mundo inteiro. «Por fim, o meu Imaculado Coração triunfará», disse Nossa Senhora (Memórias da Ir. Lúcia, vol. I, p. 177). Assim, a mensagem de Fátima converte-se num hino de esperança. Citando Bento XVI: «A mensagem de Fátima, condensada na promessa da Senhora, é como uma janela de esperança que Deus abre quando o homem lhe fecha a porta» (Discurso em Portugal, 11 de Maio de 2010).


Os bispos sublinham na carta pastoral que Fátima «irradia o dinamismo evangelizador apoiado na piedade popular, isto é, na ‘espiritualidade encarnada na cultura dos simples’ de que fala o Papa Francisco: como ‘maneira legítima de viver a fé, um modo de se sentir parte da Igreja e uma forma de ser missionários’. Peregrinar, caminhar juntos, leva-nos a sair de nós próprios e a abrir-nos aos outros, escutando-os e partilhando a própria existência, com o espírito missionário e sinodal que se espera hoje da Igreja».


Breve cronologia da história de Fátima


13 de Maio de 1917 – Primeira aparição de Nossa Senhora a Lúcia, Jacinta e Francisco.


13 de Maio de 1931 – Os bispos consagram solenemente, pela primeira vez, Portugal ao Imaculado Coração de Maria.


13 de Maio de 1967 – Cinquentenário das Aparições. Visita de Paulo VI. Na homilia o papa afirma: «Homens, sede homens. […] Homens, sede magnânimos.»


13 de Maio de 1982 – João Paulo II visita Fátima. Primeiro aniversário do atentado, do qual escapou com vida, em Roma.


13 de Maio de 1989 – João Paulo II assina os decretos da heroicidade das virtudes dos videntes Jacinta e Francisco Marto, concedendo-lhes o título de «Veneráveis».


13 de Maio de 1991 – João Paulo II peregrino em Fátima por segunda vez.


13 de Maio de 2000 – Beatificação dos pastorinhos Jacinta e Francisco por João Paulo II, que realiza a terceira visita ao Santuário.


13 de Maio de 2010 – Bento XVI preside à peregrinação na Cova da Iria.


13 de Maio de 2017 – Centenário das aparições. Visita do Papa Francisco. Canonização dos beatos Jacinta e Francisco.

Comentários

Mostrar comentários | Escrever um comentário