PJuvenil Multimédia Palavra de Deus Oração em Missão Antigos Alunos

» Favoritos

» Recomendar

» Imprimir

» Fale Connosco

Revista Além-mar Revista Audácia Jornal Família Comboniana Exposição Missionária Virtual Facebook RSS
Indique o seu e-mail:
Utilizador:
Password:
 

Palavra de Deus

Voltar ao arquivo de Palavra de Deus

Missão é anunciar a prioridade de Deus e a salvação em Jesus Cristo

XXIX Domingo do Tempo Comum - Ano A – Domingo 19.10.2014


 


Isaías 45, 1.4-6


Salmo 95


1Tessalonissenses 1, 1-5


Mateus 22, 15-21


 


Reflexões


Jesus no Evangelho desmonta a armadilha que os fariseus e os herodianos lhe estavam a preparar sobre o tema melindroso dos impostos a pagar ao imperador de Roma (v. 17). Jesus distingue, ou melhor transtorna o modo de entender a autoridade política-humana e a autoridade suprema de Deus. A «moeda do tributo» em questão (v. 19), de ouro ou outro metal, era cunhada pelo imperador, que era seu proprietário; o devedor era apenas um seu proprietário temporário, com a obrigação de devolução-restituição ao imperador. Um dever que também Jesus reconhece (v. 21). Mas aquela moeda continha a inscrição «ao divino César» ou «ao deus César», que Jesus rejeita e declina profeticamente: «Dai a César o que é de César e a Deus o que é de Deus» (21). César pode ter um certo direito sobre as coisas, mas não sobre as pessoas. «César não tem direito de vida e de morte sobre as pessoas, não tem o direito de violar a sua consciência, não pode apoderar-se da sua liberdade. A César não dizem respeito o coração, a mente, a alma. Dizem respeito a Deus somente. A cada poder humano é dito: não te apropries do homem. O homem pertence a um Outro. Pertence de Deus… Para Jesus, Deus não é o poder para além de qualquer poder, é amor. Não é o dono das vidas, é o servidor dos vivos. Não é um César maior que os outros césares, mas um servo sofredor por amor. Um modo completamente diferente de ser Deus» (E. Ronchi).


A Palavra de Deus neste domingo lança uma luz nova sobre as relações entre homem e homem, entre homem e Deus, entre o homem e as outras criaturas; entre religião e estado, entre Evangelho e política, missão e liberdade religiosa, fé e liberdade de consciência, Igreja e governos, laicidade do estado e imperativos éticos… São relações delicadas e complexas, que tocam de perto a consciência individual das pessoas, mas também o trabalho de quem anuncia o Evangelho em todas as frentes. Em particular, a liberdade religiosa, valor sancionado pelo Concílio Vaticano II, não exime, pelo contrário requer a proposta missionária do Evangelho de Cristo, em vista de uma opção pessoal livre e das reincidências em âmbito familiar e social.


A resposta de Jesus sanciona a autonomia das duas esferas de acção, humana e divina (v. 21), reivindicando, aqui e noutros passos do Evangelho, a primazia de Deus, do qual todos os seres recebem vida, destino, sentido. Uma sã autonomia exige clareza de papéis, respeito mútuo, colaboração na complementaridade, evitando quer as confusões de um sistema teocrático, quer também as evasões de um espiritualismo intimista. Todos, porém, são chamados a apoiar as iniciativas para a promoção integral da pessoa e o desenvolvimento solidário da humanidade. A esta luz, a própria acção política do rei persa Ciro (I leitura) definido «ungido» de Deus (v. 1), é vista em chave de salvação para o povo hebraico, escravo na Babilónia. Do mesmo modo, o crescimento espiritual dos cristãos (II leitura), com os valores de fé laboriosa, caridade empenhada e esperança firme (v. 3), tem certamente consequências salutares para a convivência familiar, política e social.


Primazia de Deus, salvaçãoem Jesus Cristo, conhecido e amado por todos, para que todos tenham n’Ele vida, dignidade, salvação plena… São os objectivos da missão da Igreja, que neste mês celebra o Dia Mundial das Missões. Anunciar o Evangelho é o melhor serviço que a Igreja pode prestar ao mundo, porque o Evangelho tem sempre uma influência benéfica na vida da família humana. (*)


A oração colecta de hoje põe-no em evidência, dirigindo-se ao Pai, ao qual «obedece toda a criatura no misterioso entrecruzar-se das livres vontades dos homens»; ao mesmo tempo suplicamos, em Cristo e no Espírito, para que «a humanidade inteira te reconheça como único Deus», bem supremo para uma vida humana mais digna, livre e feliz.


Palavra do Papa


Ainda hoje há tanta gente que não conhece Jesus Cristo. Por isso, continua a revestir-se de grande urgência a missão ad gentes, na qual são chamados a participar todos os membros da Igreja, pois esta é, por sua natureza, missionária: a Igreja nasceu «em saída». O Dia Mundial das Missões é um momento privilegiado para os fiéis dos vários Continentes se empenharem, com a oração e gestos concretos de solidariedade, no apoio às Igrejas jovens dos territórios de missão. Trata-se de uma ocorrência permeada de graça e alegria... A humanidade tem grande necessidade de dessedentar-se na salvação trazida por Cristo. O Dia Mundial das Missões é também um momento propício para reavivar o desejo e o dever moral de participar jubilosamente na missão ad gentes. A contribuição monetária pessoal é sinal de uma oblação de si mesmo, primeiramente ao Senhor e depois aos irmãos, para que a própria oferta material se torne instrumento de evangelização de uma humanidade edificada no amor. Não nos deixemos roubar a alegria da evangelização!


Papa Francisco


Mensagem para o Dia Mundial das Missões-DOMUND 2014


No encalço dos Missionários


- 19/10: SS. João Brébeuf, Isaac Jogues, sacerdotes jesuítas, e outros seis companheiros mártires, missionários entre os urões e os iroqueses (Estados Unidos da América e Canadá, †1642-1649).


- 19/10: S. Paulo da Cruz (1694-1775), promotor de missões populares com a mensagem da Paixão de Cristo; é fundador dos Passionistas.


- 19/10: B. Jorge (Jerzy) Popieluszko (1947-1984), mártir, sacerdote polaco, zeloso e corajoso ministro do Evangelho, assassinado por ódio à fé.


- 20/10: BB. David Okelo e Jildo Irwa, jovens catequistas e mártires (de 16 e 12 anos), assassinados em Paimol (Kalongo-Norte do Uganda, †1918).


- 21/10: B. Laura Montoya y Upeguí (1874-1949), missionária colombiana entre os indígenas e fundadora; morreu em Medellin (Colômbia).


- 22/10: B. João Paulo II (1920-2005), Papa desde Outubro de 1978. Empreendeu numerosas viagens apostólicas aos cinco continentes, criou as Jornadas Mundiais da Juventude, escreveu várias encíclicas e outros documentos pontifícios, promoveu o novo Código de Direito Canónico e o Catecismo da Igreja.


- 23/10: Dia Mundial Missionário, com o tema (2011): «Como o Pai me enviou, também Eu vos envio a vós» (Jo 20,21).


- 23/10: S. João de Capistrano (1386-1456), sacerdote franciscano, missionário e pregador eficaz em vários países da Europa central e oriental. Trabalhou pela liberdade e a união dos cristãos.


- 24/10: S. António Maria Claret (1807-1879), espanhol, pregador de missões populares, fundador, bispo de Santiago de Cuba. Morreu no exílio em França.


- 24/10: S. Luís Guanella (1842-1915), sacerdote italiano, fundador de dois Institutos para a assistência aos pobres.


- 24/10: Dia das Nações Unidas (organização criada em 1945).


- 25/10: B. Carlos Gnocchi (Milão 1902-1956), capelão militar na Grécia e Rússia; depois da guerra dedicou-se à assistência aos órfãos e mutilados de guerra, vítimas dos bombardeamentos e dos engenhos bélicos, e aos deficientes de todo o género.


Colaboração e agradecimentos


Coordenação: P. Romeo Ballan - Missionários Combonianos (Verona)


Sítio Web: «Palavra para a Missão»