PJuvenil Multimédia Palavra de Deus Oração em Missão Antigos Alunos

» Favoritos

» Recomendar

» Imprimir

» Fale Connosco

Revista Além-mar Revista Audácia Jornal Família Comboniana Exposição Missionária Virtual Facebook RSS
Indique o seu e-mail:
Utilizador:
Password:
 

Actualidades

Voltar à lista de artigos de Actualidades

Papa quer visitar o Sudão do Sul ainda este ano

24 de Fevereiro de 2017

O Papa quer visitar o Sudão do Sul antes do fim do ano para chamar a atenção para a crise que o país vive e estar próximo do povo que sofre os horrores da guerra civil desde dezembro de 2013.


A notícia foi tornada pública pelos líderes católicos do país numa mensagem pastoral no final de um encontro de três dia que terminou na quinta-feira, 23 de fevereiro, em Juba.


«Com grande alegria, queremos informar-vos que o Santo Padre Papa Francisco espera visitar o Sudão do Sul ainda este ano», os líderes das sete dioceses do Sudão do Sul anunciaram.


«O Santo Padre está profundamente preocupado com os sofrimentos do povo do Sudão do Sul».


A mensagem diz que os sul-sudaneses estão sempre presentes nas orações do Papa.


«A sua vinda aqui seria um símbolo concreto da sua preocupação paternal e da sua solidariedade com os vossos sofrimentos», sublinham os clérigos.


A visita do Papa também vai atrair a atenção do mundo para a situação crítica do país.


Os líderes católicos propõem um programa de oração para que a visita se concretize.


«Usemos os próximos meses com fruto para começar a transformação da nossa nação», concluem a mensagem pastoral.


Na audiência geral de quarta-feira o Papa Francisco fez um forte apelo em favor das vítimas da fome no Sudão do Sul.


«Suscitam particular preocupação as dolorosas notícias que chegam do martirizado Sudão do Sul, onde ao conflito fratricida se junta agora a uma grave crise alimentar que condena à morte de fome milhões de pessoas, entre elas muitas crianças», disse.


O papa pediu o empenho de todos para irem além das palavras e «tornar concretas as ajudas alimentares e a permitir que elas possam chegar às populações que sofrem.»


O Governo do Sudão do Sul declarou a 20 de fevereiro o estado de fome em dois condados do antigo estado de Unity, afetando cerca de 100 mil pessoas.


Dados a UNICEF indicam que mais de um milhão de crianças sofrem de malnutrição aguda.


135 organismos humanitários afirmaram que necessitam de mais de 1,5 mil milhões de euros para assistir e proteger 7,5 milhões de pessoas afetadas pelo conflito, crise económica e choque climático.


Os líderes católicos dizem que o país está atado por uma crise humanitária de fome, insegurança e dificuldades económicas.


«Não há dúvida que esta fome é provocada pelo homem por causa da insegurança e por uma administração económica pobre», escrevem.


Os líderes denunciam «mortes, violações, pilhagens, deslocamentos, ataques a igrejas e destruição de propriedades continuam em todo o país.»


Acusam tanto as forças do governo como as da oposição de executarem políticas de terra queimada e de atacarem os civis com punições coletivas.


«Há uma grande falta de respeito pela vida humana», denunciam.


Os líderes religiosos sublinham que a igreja tem sido particularmente afetada.


«Padres, irmãs e outras pessoas têm sido molestadas. Alguns dos programas da nossa rede de rádios foram removidos. Igrejas foram queimadas. Há menos de duas semanas, a 14 de fevereiro, oficiais de segurança tentaram fechar a nossa libraria católica. Molestaram o nosso pessoal e confiscaram vários livros», denunciam.


A mensagem pastoral conclui com um apelo: «Pedimos que vos mantenhais fortes espiritualmente e exerciteis moderação, tolerância, perdão e amor. Trabalhai pela justiça e paz; rejeitai violência e vingança»


Três bispos residenciais, dois eméritos, dois administradores apostólicos, um coordenador diocesano e um vigário geral reuniram-se em Juba de 21 a 23 de fevereiro com o núncio apostólico para o Quénia e o Sudão do Sul.


José Vieira (MCCJ) – Jirenna

Comentários

Mostrar comentários | Escrever um comentário