PJuvenil Multimédia Palavra de Deus Oração em Missão Antigos Alunos

» Favoritos

» Recomendar

» Imprimir

» Fale Connosco

Revista Além-mar Revista Audácia Jornal Família Comboniana Exposição Missionária Virtual Facebook RSS
Indique o seu e-mail:
Utilizador:
Password:
 

Palavra de Deus

Voltar ao arquivo de Palavra de Deus

Evangelizar sem monopolizar Deus

XXVI Domingo do Tempo Comum: Ano B – 27.9.2015


 


Números   11,25-29


Salmo  18


Tiago  5,1-6


Marcos  9,38-43.45.47-48


Reflexões


Fanatismo, fundamentalismo, intolerância, partidarismo, absolutismo, intransigência, proselitismo, relativismo, sincretismo, diálogo, abertura, missão… A palavra de Jesus no Evangelho de hoje vem fazer clareza sobre um montão de palavras que hoje abundam na linguagem de muitas pessoas e nos média, que, de várias formas, tratam sobre estes temas de actualidade religiosa e política. Jesus aproveita a ocasião do excesso de zelo do apóstolo João e de outros discípulos, que queriam impedir um tal de expulsar os demónios no nome de Jesus, «porque ele não anda connosco» (v. 38). Jesus intervém dizendo: «Não o proibais» (v. 39). Numa circunstância análoga, também Moisés (I leitura) tinha intervindo contra o pedido cioso do seu colaborador e futuro sucessor, Josué, auspiciando não uma restrição mas uma maior efusão do Espírito do Senhor sobre o seu povo «Quem dera que todos fossem profetas!» (v. 29).


Josué e João – o jovem apóstolo que bem merece o título de “filho do trovão”, como o denomina Jesus (Mc 3,17) – têm, infelizmente, numerosos seguidores em todas as culturas e religiões. Impedir, proibir… os verbos queridos a Josué e a João, não são aceites por Jesus, o qual não quer proibir ninguém de fazer o bem ou de pronunciar palavras de verdade (v. 39). A tentação de Josué e de João é a tentação típica de todo o movimento absolutista e de toda a pessoa fechada no seu gueto. O medo do que é diferente por origem, cultura, religião, etc., provoca sentimentos e práticas de fechamento, exclusivismo, marginalização. Em alguns partidos e ambientes políticos a xenofobia chega a considerar os outros como criminais pelo simples facto de serem um imigrado, um refugiado, um clandestino.


É digna de nota a observação adoptada por João: «Procurámos impedir-lho, porque ele não anda connosco» (v. 38), não é dos nossos. «Não diz que não segue Jesus, mas que não os segue a eles, os discípulos, revelando assim que tinham radicada a convicção de serem os únicos e indiscutíveis depositários do bem. Jesus pertencia só a eles, eram eles o ponto de referência obrigatório para quem quisesse invocar o Seu nome e sentiam-se contrariados pelo facto de alguém realizar prodígios sem pertencer ao seu grupo… O orgulho de grupo é muito perigoso: é enganador e leva a considerar zelo santo o que é apenas egoísmo camuflado, fanatismo e incapacidade de admitir que o bem existe também fora da estrutura religiosa a que se pertence» (Fernando Armellini).


Aqui estão em jogo valores missionários de primeira grandeza. A salvação e a possibilidade de fazer o bem não são monopólio de uma classe de eleitos ou de especialistas, mas dom de Deus, amplamente oferecido a toda a pessoa aberta ao bem e disponível a tornar-se portadora de amor e de verdade. O Espírito do Senhor é-nos dado gratuitamente, mas não de forma exclusiva: ninguém, nenhuma religião pode ter a pretensão de monopolizar Deus, o seu Espírito, a verdade ou o amor. A resposta de Jesus (v. 39) não muda se aquele que faz o bem é clandestino, muçulmano, cigano, marginalizado, preso, drogado… Jesus daria a mesma resposta que deu a João, caso fosse interpelado por um budista, um muçulmano ou outro qualquer. Esta afirmação não tira nada à verdade de Cristo único Salvador e fundador da Igreja, pelo contrário, sublinha a sua universal irradiação missionária.


 


Para uma correcta compreensão desta doutrina, é preciso evitar dois extremos: por um lado, o fanatismo intolerante de quem não admite outra verdade para além da sua; e, por outro, o relativismo que não reconhece qualquer verdade como certa e deixa tudo na incerteza e confusão. «A verdade é uma só, mas tem muitas faces como um diamante», afirmava Gandhi. Segundo a fé cristã, Jesus é a Palavra do Pai, é a verdade personificada e incarnada, de onde derivam as sementes de verdade e de amor presentes no mundo inteiro: Dele provêm, para Ele se reconduzem. Só com este duplo movimento – centralidade e irradiação de Cristo – se superam os perigos do absolutismo e do relativismo. (*) A evangelização funda-se na possibilidade de um diálogo. O zelo missionário bem entendido não é fanatismo; não é uma imposição, mas a proposta alegre e respeitadora da própria experiência de vida. Sempre no respeito pela liberdade das pessoas, o único caminho para a difusão do Evangelho baseia-se no testemunho alegre da fé e do amor de Jesus.


Palavra do Papa


(*) «Ter uma fé esclarecida, conforme ao Credo da Igreja, é muitas vezes etiquetado como fundamentalismo. Ao passo que o relativismo… aparece como a única atitude à altura dos tempos actuais. Vai-se constituindo uma ditadura do relativismo que não conhece nada como definitivo e que deixa como medida última apenas o próprio eu e os seus apetites».


Card. Joseph Ratzinger


Missa pro eligendo Pontifice, Roma, 18 de Abril de 2005


No encalço dos Missionários


- 27/9: S. Vicente de Paulo (1581-1660), sacerdote francês, fundador da Congregação das Missões e das Filhas da Caridade, para a formação do clero, as missões populares e o serviço dos pobres.


- 27/9: Dia Mundial do Turismo – Tema (2012): «Turismo e sustentabilidade energética propulsores de turismo sustentável».


- 28/9: S. Lourenço Ruiz, de Manila, e 15 companheiros mártires (sacerdotes, religiosos e leigos), mortos em Nagasaki, Japão, 1633-1637), depois de ter evangelizado no Extremo Oriente.


- 28/9: B. Niceta Budka (1877-1949), bispo, nascido na Ucrânia, missionário no Canadá entre os católicos de rito bizantino; morreu no campo de concentração em Karadzar, Kazaquistão.


- 28/9: Nascimento de Confúcio na China (551 d.C.).


- 29/9: Festa S. Miguel, S. Gabriel e S. Rafael, arcanjos, servos de Deus e seus mensageiros junto dos homens.


- 30/9: S. Gregório, o Iluminador (257-332), apóstolo dos arménios, nação que se tornou cristã em 301.


- 30/9: S. Jerónimo (347-420), presbítero e doutor da Igreja, contemplativo e penitente, exímio estudioso e tradutor da Bíblia; morreu em Belém.


- 30/9: (ou outra data): Jornada pelas Crianças da Rua.


- 1/10: S. Teresa do Menino Jesus (1873-1897), carmelita do convento de Lisieux (França), doutora da Igreja; padroeira principal das Missões. – É filha dos Beatos casal Luís Martin (1823-1894) e Zélia Maria Guérin (1831-1877), franceses.


- 1/10: B. João de Palafox e Mendonza (1600-1659), espanhol, bispo de Puebla de los Ángeles (México), vice-rei e visitador apostólico, mais tarde bispo de Osma (Espanha). Figura multifacetada de pastor, escritor, governante, protector dos índios.


- 1/10: Dia Internacional do Idoso (ONU-OMS, 1990).


- 2/10: B. João Beyzim (1850-1912), sacerdote jesuíta da Volinia (Ucrânia), missionário entre os leprosos em Fianarantsoa (Madagáscar).


- 3/10: BB. Ambrósio Francisco Ferro, sacerdote, e 27 companheiros mártires (†1645) nas margens do rio Uruaçu (Natal, Brasil).


Colaboração e agradecimentos


Coordenação: P. Romeo Ballan - Missionários Combonianos (Verona)


Sítio Web: «Palavra para a Missão»