PJuvenil Multimédia Palavra de Deus Oração em Missão Antigos Alunos

» Favoritos

» Recomendar

» Imprimir

» Fale Connosco

Revista Além-mar Revista Audácia Jornal Família Comboniana Exposição Missionária Virtual Facebook RSS
Indique o seu e-mail:
Utilizador:
Password:
 

Palavra de Deus

Voltar ao arquivo de Palavra de Deus

Advento: tempo de esperança e de Missão

I Domingo de Advento: Ano C – 29.11.2015


 


Jeremias 33,14-16


Salmo 24


1Tessalonicenses 3,12.13-4,2


Lucas 21,25-28; 34-36


 


Reflexões


A boa-nova de Jesus, hoje, no início do ano litúrgico, vem iluminar três situações da existência humana e cristã: a realidade em que vivemos, a resposta da fé, o percurso do cristão.


1. O evangelista Lucas – que será nosso companheiro de viagem no novo ciclo litúrgico – usa expressões carregadas (Evangelho) ao apresentar a situação real da humanidade «oprimida por tantos males» (oração colecta): fala de angústia, ansiedade, agitação, morte, medo, perturbação… (v. 25-26). São males que não se referem directamente ao fim do mundo, mas à situação actual da humanidade, com todas as suas formas de negatividade, provocadas sobretudo pelo pecado, que contamina todas as relações humanas: com Deus, consigo mesmos, com os outros, com o cosmos.


2. A humanidade, mergulhada no mal e no pecado, é incapaz de se salvar a si mesma, precisa de um Salvador que venha de fora. Jesus, Filho de Deus e Filho do homem, é o Salvador que vem. Tem o poder de Deus para debelar qualquer mal do mundo (v. 27). Não há, na verdade, nenhum mal, caos ou situação negativa que sejam mais fortes do que Ele. Esta é a boa-nova: a libertação do mal é possível, melhor está próxima. Basta olhar para Ele com confiança. «Erguei-vos e levantai a cabeça» (v. 28). O Senhor que vem tem a pujança do rebento que brota (I leitura), da vida que se renova, de um mundo novo. A vinda do Senhor é sempre boa-nova; Ele só tem «promessas de bem» (v. 14).


3. Este sonho de Deus é possível com uma condição (Evangelho): há um percurso a fazer de vigilância e de oração (v. 36), para que o coração não se torne pesado pela dispersão e preocupações da vida (v. 34); para se comportar de modo a agradar a Deus (II leitura); para «crescer e abundar na caridade uns para com os outros e para com todos» (v. 12). Os textos litúrgicos deste domingo contêm um vigoroso convite à vigilância, à oração e à esperança, que são atitudes típicas do tempo do Advento. A expectativa do Senhor que salva não será uma ilusão, será satisfeita. A Sua vinda – em cada dia e particularmente no Natal – é sempre uma surpresa grata, certa, alegre.


A liturgia faz-nos viver na expectativa do Senhor Jesus que vem e que voltará, fazendo-nos reviver eficazmente a Sua primeira vinda no Natal: É esta, de facto, a força especial dos sacramentos da Igreja, que tornam presente em cada dia os mistérios cristãos que tiveram lugar no passado. Deste modo, a história é totalmente recuperada e torna-se história de salvação no hoje de cada cristão. Para isso é preciso que a expectativa se torne atenção ao Senhor que vem; ou seja, preparação paciente de um coração bem-disposto e purificado, sensível às necessidades dos outros, pronto a partilhar com outros a sua experiência de Jesus Salvador.


Nós, os cristãos, que já acreditamos em Cristo, sabemos quem é o Salvador que vem, ao passo que os não-cristãos – que são ainda a maior parte da humanidade (cerca de dois terços) – aguardam ainda o primeiro anúncio de Cristo Salvador. Por isso, o Advento é um tempo litúrgico muito propício para despertar nos cristãos a consciência da responsabilidade missionária. Já o Recomendava o Papa Pio XII (*) há mais 50 anos, convidando à oração e ao empenho missionário, especialmente durante o Advento, que é o tempo da expectativa da humanidade.


Palavra do Papa


(*)  «Desejamos que por esta intenção (missionária) se reze mais e com mais iluminado fervor… Pensamos sobretudo no tempo de Advento, que é o tempo da expectativa da humanidade e dos caminhos providenciais de preparação à salvação… Rezai pois, rezai mais. Lembrai-vos das imensas necessidades espirituais de tantos povos ainda tão distantes da verdadeira fé, ou tão privados de meios para perseverarem nela».


Pio XII


Encíclica Fidei Donum, 21.4.1957


No encalço dos Missionários


- 29/11 (e dias próximos): BB. Eduardo Burden (†1588), Jorge Errington (†1596), e companheiros; S. Cutberto Mayne (†1577), SS. Edmundo Campion (†1581) e companheiros; B. Ricardo Langley († 1586) e muitos outros sacerdotes e leigos martirizados em Inglaterra no reinado da Rainha Isabel I.


- 29/11: BB. Dionísio Berthelot e Redento Rodríguez, religiosos carmelitas, feitos escravos e depois martirizados por muçulmanos (†1638) em Acheh (Sumatra, Indonésia).


- 30/11: S. André, apóstolo, irmão de Simão Pedro. Pregou o Evangelho de Jesus na Grécia, onde morreu crucificado.


- 1/12: B. Carlos de Foucauld (1858-1916), sacerdote francês, assassinado em Tamanrasset, no deserto argelino, por um bando de salteadores; é testemunha de missão, diálogo e amor à Eucaristia.


- 1/12: B. Clementina Anuarite Nengapeta (1940-1964), religiosa de Rep. Dem. Do Congo, assassinada em Isiro durante a rebelião dos Simba. É mártir da castidade e do perdão.


- 1/12: Dia Internacional da luta contra a AIDS-SIDA (instituída pela ONU-OMS, 1988).


- 2/12: 1º Domingo de Advento, tempo missionário para pensar nos povos que ainda esperam o primeiro anúncio de Cristo Salvador


- 2/12: B. Liduina Meneguzzi (1901-1941) religiosa das Selesie de Pádua, missionária na Etiópia, falecida em Dire Dawa.


- 2/12: Recordação do primeiro lançamento da agência de imprensa missionária Misna (1997).


- 3/12: S. Francisco Xavier (1506-1552), sacerdote jesuíta espanhol, missionário na Índia e no Japão, falecido na ilha de Son-Choan, às portas da China. É Patrono principal das Missões.


- 3/12: O Papa Gregório XVI promulgou (1839) uma bula para condenar o comércio dos escravos e excomungar aqueles que nele participavam.


- 4/12: B. Adolgo Kolping (1813-1865), sacerdote alemão, “pai dos trabalhadores artesãos”; promoveu a formação e as associações dos jovens trabalhadores.


- 5/12: B. Filipe Rinaldi (1856-1931), terceiro sucessor de S. João Bosco à frente da Sociedade Salesiana, à qual deu um forte impulso missionário ad gentes.


- 5/12: Dia Internacional do Voluntariado.


Colaboração e agradecimentos


Coordenação: P. Romeo Ballan - Missionários Combonianos (Verona)


Sítio Web: «Palavra para a Missão»